Follow Us @soratemplates

30 de julho de 2017

Sem wishlist dessa vez…

julho 30, 2017 13 Comentários
Faltam exatamente um mês pro meu aniversário de 23 anos! Quando penso no ciclo que está chegando ao fim, percebo o quanto eu cresci quebrando a cara. Amigas, a vida ensina demais com as rasteiras que nos dá, basta abrirmos os nossos olhos para enxergarmos perfeitamente a realidade. Vai por mim! 😉

Para mim tem sido bastante assustador perceber que cresci. As brincadeiras bobas (leia-se inocência) estão dando abertura à uma pessoa que ainda estou conhecendo. Eu sei, é complicado lidar com o autoconhecimento.

Em meio a tanto amadurecimento, decidi que não quero aniversário e nem receber presentes neste ano. O que preciso mesmo é cumprir 3 metas  importantes, para chegar em 2018 me sentido realizado e de bem com a vida. O motivo é que as minhas wishlists são utópicas, contendo desejos que já não condizem com a minha realidade (tipo encontrar um mozão ou reencontrar ex!).

Em primeira mão, apresento agora as 3 metas que preciso cumprir em um ano. Vamos lá? 😊


 Emagrecer + exercitar a autoaceitação: 

Todo mundo vive insatisfeito com o próprio corpo, né? Comigo não seria diferente! Só que fiz um propósito de emagrecer saudavelmente e aceitar a minha atual situação. Chega de me olhar no espelho e ficar criticando a aparência, encontrando defeitos em tudo. Chega!

Solucão: Quero continuar as minhas caminhadas diárias, comendo bem e, no futuro, voltar a malhar pra ter o corpo que sempre desejei.
 Focar na faculdade + exercitar a positividade 

Estou no último período da faculdade: isso quer dizer que lá vem TCC, exame da OAB e tals. A coisa piora ainda mais pra mim pelo simples de que tenho algumas (várias!) matérias pra pagar. Infelizmente, não me dei bem com Processo Penal e afins da área criminal. Sendo assim, quero pensar positivo pra atrair boas energias pra minha vida, pois não será fácil ver os amigos se formando e eu ficando pra trás. :(

Solução: Providenciar o TCC com urgência, fazer os cursos de dependência que surgirem e sempre pensar que tudo dará certo.
 Conseguir um emprego 

Infelizmente, tô há um tempo sem trabalho fixo, somente com freelas que não cobrem as despesas. Se o Temer não sair logo, sei nem o que será de mim e dos mais de 13 milhões de desempregados no Brasil.

Solução: Continuar buscando vagas de empregos de acordo com o meu currículo, se possível um estágio em algum escritório de advocacia.
No mais, é isso, meninas! Espero que eu consiga cumprir essas três metas que só dependem de mim e da minha força de vontade. Tenho certeza de que, caso cumpridas, será o melhor presente de aniversario que ganharei! 😘

27 de julho de 2017

Pra quem tu escreve?

julho 27, 2017 12 Comentários


Muito bom criar um blog, escolher o nome, layout bonitinho e, enfim, começar a divulgar nas suas redes sociais que tem post novo. Mas... Você já parou pra pensar sobre os seus artigos? Vou ser mais específico: já analisou pra quem você escreve? Pra si mesmo ou pros outros?

Recentemente, li em algum lugar que deveríamos escrever não pra nós mesmos, e sim para os nossos leitores. Não vou dizer que a tal pessoa está errada, afinal, essa foi a “receita” que ela usou pra ter muitas visitas. Contudo, pra mim não faz sentido perder tempo produzindo algo que não faça sentido pra mim mesmo; somente porque tem alguém do outro lado da tela esperando por mais um post cheio de dicas. (Isso aconteceu com o Depois dos Quinze e outros dessa mesma era, btw!).

Não sei se você já percebeu, mas... justamente por pensar somente nos leitores, muitos blogueiros acabaram perdendo a originalidade/identidade; nos posts já não vemos a personalidade de quem o escreve, sabe? Não vejo graça em posts assim, mas quem sou eu na blogosfera, né? 😎

Bom mesmo é pirar ao escrever, brincar com as palavras... Ser a gente mesmo, como se estivesse conversando com um amigo! Blogs surgiram através de textos íntimos, pessoais. Se deturparam a ideia, graças a Deus não sou um dos milhares de culpados que há na internet!



Não critico quem escreve pensando em SEO e tals, pois sei que realmente é frustrante ter posts sem views, poucos comentários, etc. Porém, mais do que pensar somente nas visitas, pense em si mesmo. “Esse posts me ajudou em algo? Ele realmente será útil pra alguém?”, se a sua resposta for sim às duas perguntas, então clique em "publicar". Agora, se o post não te ajudou em nada (nem a se sentir mais leve ao escrevê-lo), por que suas falsas palavras iriam ajudar alguém? 😉

Não é querendo deixar você com raiva, não, mas... Posts forçados pra cumprir atualização semanal, a gente percebe de longe! Então, antes de escrever pensando nos outros, pense em você mesmo e como aquela publicação iria te ajudar, caso o papel fosse invertido. #sódica

Você não é influencer, não tem milhares de leitores, tampouco é um portal de notícias pra ficar só nas dicas. Tenho certeza de que escrevendo mais sobre ti, com certeza as pessoas irão se importar mais com seu conteúdo. Afinal, o que conquistou o leitor  não foi aquele post babado com 10 dicas sobre bla bla bla, mas sim a tua forma de escrever, teu carisma e tals.

Quantos blogs eu deixei de ler porque a pessoa ficava só postando dicas disso e daquilo, mas nunca escrevia nada sobre ela? Perdi a conta!

Vai por mim! Quando a gente é sincero com a gente mesmo, tudo fica mais tranks! 😘


26 de julho de 2017

Hétero, gay, lésbica, trans… nós somos tudo gente (e iguais!)

julho 26, 2017 12 Comentários
"

Vai demorar um bom tempo até eu entender a dificuldade da sociedade em aceitar. As decepções, os sonhos, desejos, as orientações sexuais, enfim, as pessoas. Se importar com o próximo é legal, até louvável. Porém, quando você invade a privacidade do outro, a coisa fica um pouquinho mais séria.


Antes de continuar o meu raciocínio, devo agradecer a uma amiga por me abrir os olhos quanto aos pré-julgamentos que cometemos diariamente. Liz, thanks por tudo! 😍



Voltando às minhas tretas… 😜


Outro dia estava numa rodinha de amigas conversando sobre gays, lésbicas, trans…. Durante o debate, euzinho (considerado descolado, mente aberta e tals) soltei um comentário bem idiota, dizendo que os bissexuais eram gays/lésbicas que não tinham coragem de se assumir, então acabavam se “rotulando” dessa forma. Como eu fui idiota. 👏👎


Depois desse debate, a minha amiga me procurou pra revelar-se bissexual. Fiquei em choque, porque ela era tão discreta, evangélica e bla bla bla. Novamente estava com pensamentos cheios de pré-conceito, sabe? Aproveitando a oportunidade, ela ainda me deu uma verdadeira aula sobre gêneros sexuais, porque, sim, eu ainda me confundo. Todo dia surge um diferente.


"

De acordo com essa miga, a bissexualidade nada mais é do que o fato de sentir-se atraído por homens/mulheres/whatever, sendo que, pra ela, o desejo é ainda maior por meninas - o que não a tornaria lésbica por conta de também curtir homens. Deu pra entender?


Como uma boa pessoa educada, agradeci pelos esclarecimentos, por se revelar bi e, principalmente, por entender as minhas opniões repletas de má informação. Afinal, não é porque sou gay que devo saber a definição de cada orientação sexual. É importante ter esse conhecimento? Sim! Sou obrigado? Nopes! 😉


Na verdade, ninguém é obrigado a saber quantos e quais são os gêneros sexuais, agora aceitar… Somos mais do que obrigados! Essa deveria ser uma das regras pra se viver em sociedade: olhar pro coleguinha e vê-lo não como gay, lésbica e afins, mas sim como um ser humano que emana paz e amor. Simples assim.




Enquanto todos continuarem julgando os outros e encontrando dificuldade em aceitar a minoria “diferentona”, mais embates e debates haverão. Espero que deles surjam boas soluções pro caos que virou as questões de gêneros na sociedade. #oremos 😘


24 de julho de 2017

Sobre maturidade, desejos e objetivos

julho 24, 2017 15 Comentários


Desde que me entendo por gente, sempre fui o mais diferentão da galera que conheço. Enquanto muitos pensavam em festas, eu ficava em casa estudando; quando todos estavam de namorinhos na escola, lá estava eu pirando por conta de um novo romance que chegou na biblioteca. Sempre foi assim. ✌

Porém, cheguei na faculdade (lá em 2013) e dei de cara com uma nova realidade. Todos tinham relacionamento sério (ou estavam à procura de um), haviam meninas grávidas, outras bem novinhas e já casadas. Enfim, um mundo novo cheio de mistérios pra eu desvendar.

Ao todo, 2 anos após a entrada na faculdade eu comecei a sentir necessidade de também ter um relacionamento. Acho que é coisa do relógio biológico de cada pessoa, né? Ou isso só existe em relação às mulheres x gravidez? 👅

Loucuras à parte, sinto que a cada dia estou me preparando pra um relacionamento. Mas não é qualquer coisa! Busco uma relação séria, com alguém sério e que queira construir algo sério. Acho que deu pra entender, né? S-É-R-I-O!



Não estou procurando ninguém babaca como todos os caras do passado. Quero agora alguém que me complete, tenha planos pro futuro e seja de boa com a vida. Chega de novinhos que mal sabem o que querem; chega de crushes que nada têm a ver comigo. Chega. Apenas chega.

Estou indo pra casa dos 23 e percebi que a cada ano a gente amadurece mais. No meu caso, o lado do amor está se desenvolvendo bem... Todo aquele romantismo que carrego dentro de mim está sendo bem administrado, usado de forma correta e com as pessoas que demonstram merecer.

Dizem por aí que a maturidade vem pra todos e eu concordo tanto com essa ideia! Pra alguns ela aparece mais cedo, tipo uma prima que ficou grávida na adolescência; já pra outros - tipo eu! - o universo vai nos deixando entender mais a vida, as pessoas, enfim, o mundo.

Não é ruim demorar um pouquinho pra amadurecer. Amadurecimento nada mais é do que conhecer o seu corpo, a sua vida... Tudo no seu tempo! Minha dica? Curta a sua vida, seja infantil ou adulto quando achar necessário e, o mais importante, seja feliz do seu jeito!  😘

21 de julho de 2017

“Friends From College”: nova série nostálgica da Netflix

julho 21, 2017 6 Comentários


Ainda não terminei a faculdade, porém, desde já tenho medo de me desconectar dos amigos que fiz nela. Você sabe: em um relacionamento, ambas as partes devem estar em sintonia, não bastando apenas uma se importar.

Em “Friends From College”, nova série produzida pela Netflix, nos deparamos com um grupo de amigos que se conheceram há 20 anos, na Faculdade de Harvard. Alguns seguiram carreira jurídica, outros foram para a área literária e tem também o rico que vive bancado pela fortuna dos pais (consegue adivinhar quem é através da foto acima? Fica o desafio! 😛).

A série em si é bobinha, engraçada e traz flashbacks do passado de cada personagem; é através desse recurso que passamos a entender o porquê de muitos estarem traindo os(as) cônjuges. 😵



Mesmo na casa dos 40 anos, Ethan, Sam e sua trupe conseguem mostrar que idade é algo relativo: alguns perdem com o tempo a disposição pra viver altas aventuras, mas tem aqueles que aguentam sexo bruto, farra e coisas do mundo jovem. Ou seja: sim, na série veremos os migos fazendo coisas que nós, jovenzinhos, só sonhamos mesmo. :D

Você deve estar se perguntando se eles moram na mesma cidade desde sempre. Lhe respondo: após a faculdade, cada um seguiu sua vida indo pra outras cidades e até mesmo países diferentes, mas nunca esqueceram da importante amizade que começou em Harvard.

Se pudermos tirar uma lição de “Friends From College”, seria, basicamente, entender o quanto os amigos são importantes na nossa vida, tanto nos aspectos financeiros quanto psicológicos. Como já dizia alguém por aí, os amigos são a família que nos permitiram escolher.

Fica aí a dica do seriado, migas! :)

Resumo


Nome: “Friends From College” (Amigos da faculdade)

Lançamento: 14 de julho de 2017

Gênero: Comédia

Duração: 30 min cada um dos 8 episódios da primeira temporada

Disponível: Netflix ou downloads ilegais  ;)

Sinopse: Vinte anos depois da graduação, um grupo de amigos da faculdade se reconecta e descobre que o amor não ficou mais fácil com a idade.

17 de julho de 2017

Sou fácil, mas nem tanto

julho 17, 2017 8 Comentários
Modéstia à parte, sou uma pessoa fácil. Pra conversar, pedir um favor, paquerar, etc. Me considero “acessível” pelo fato de não colocar dificuldade. Se é pra já, faço agora. Se é pra depois, adianto o negócio.

Porém, sentado numa mesa de bar, percebi que não sou tão fácil assim! Na verdade, fiquei foi assustado quando me deparei com pessoas mais de-boa-com-a-vida do que eu. Talvez eles sejam seres mais evoluídos e bla bla bla.

Deixa eu resumir...




Estava eu, nesse fim de semana, no boteco com uma amiga. Papo vai, papo vem até a gente ficar de olho numa turminha de gente descolada, na mesa ao lado. Claro que não estávamos paquerando, pois fomos apenas curtir a noite num lugar legalzinho.

Após algum tempo, o povo descolado foi embora, ficando apenas um casal. Eu conhecia o menino, por termos amigos em comum e saber que ele é gay. Daí a dupla começou a se pegar, dando amassos em público. Jurava que ia rolar sexo no meio de todo mundo. Graças a Deus eles se aquietaram, porque um homem apareceu chamando eles pra se juntar à outra mesa.

Lá vai o detalhe mais importante: o casal foi pra mesa de gente que não conhecia, e depois entraram no carro de desconhecidos.  Na melhor das hipóteses, iriam pra alguma festinha particular; na pior, provavelmente participariam de orgia.

Vendo as cenas “narradas” anteriormente, percebi que de fácil eu não tenho nada! Jamais entraria em carro de desconhecidos, pois já penso em sequestro, assalto, estupro e por aí vai. Fiquei abismado, principalmente, por saber que esse tipo de atitude é “normal” em cidade grande. O povo realmente se junta com outras turmas e foda-se o perigo.
Não, não, não! Mamys me deu boa educação e discernimento justamente pra eu não me entregar aos perigos da vida facilmente. Ir pra mesa de estranhos, ok. Sair no carro de desconhecidos? Já fiz isso uma vez e, sério, não recomendo. Quando o efeito da cachaça passa, você começa a ver o grau de periculosidade.



Aliás, você deve estar se perguntando como eu soube que o casal saiu com desconhecidos. Simples: em grupo de WhatsApp, o carinha falou das aventuras que passou na noite anterior. Mancada total.

13 de julho de 2017

Poupança da felicidade: dicas para fazer o seu dinheiro render

julho 13, 2017 19 Comentários


Não sou a melhor pessoa pra falar sobre economia, crise financeira e bla bla bla, pois na faculdade só aprendi a diferença entre macro e microeconomia (e tô atolado em dívidas!). Contudo, sei bem o quão chato é ficar sem dinheiro após pagar todas as contas. ☹

Só pra constar: já tive cofres, já abri poupança no banco, já emprestei dinheiro pra cobrar futuramente... Tudo na intenção de ser ryca! Porém, quando vejo uma brusinha, penso nem uma vez antes de quebrar o porquinho ou sacar o que tenho. #loucasempre

De acordo com os economistas, sofro de um problema chamado: falta de vergonha na cara. Como curá-lo? Talvez, criando vergonha na cara! 😜

O meu problema, migas, não é em ganhar dinheiro, e sim como guarda-lo. Simplesmente não consigo ficar de boas sabendo que tenho grana. Na minha mente, devo gastá-la sempre, até ficar zerado. 👏👎



Mas, vamos lá às dicas pra economizar dinheiro pra depois gastá-lo loucamente no shopping.  😃
 Guarde alguns centavos do seu salário

Todo mundo tem dívida, é inevitável! Algumas pessoas têm mais, outras menos... E tem eu que fico com saldo negativo todo mês! Se você é diferente de mim (parabéns, abençoado!), poupar 10 a 20% do seu salário é uma boa opção. O ideal mesmo é começar guardando quantias pequenas e ir aumentando com o tempo.

Ex.: Quem recebe um salário mínimo, ao invés de guardar R$ 187 (20%), pode poupar R$ 100 por mês, totalizando em dezembro R$ 1,200, fazendo uma viagem de fim de ano incrível. 😍
 Diga “olá!” aos freela da vida

Viver de freela é ótimo/lindo, quando você tem muitos contatos, nome no mercado e bla bla bla. Pra quem é desconhecido, trabalhar como freelancer só é bom pra (ter uns centavos pra baladinha e comprar novas roupasERROR) ter uma renda extra.

Sites como o 99 freelas e Trampos.Co são ótimos pra descolar um trampo. 😉


 Vire sacoleiro!

Sabe aquelas tranqueiras que você tem em casa e nem usa mais? Mulher, tu não sabe o quanto pode lucrar com eles!

Livros, roupas, sapatos, eletrônicos, cds... Tudo o que está entocado pode ser colocado à venda. E sim: tá liberado pegar os jogos do seu irmão e vender nos grupos de gambira, no Facebook. Ele vai ficar puto, claro, e você ryca! 😂
 Haja como um virginiano

Os astrólogos dizem que virgianos são fdp, perfeccionistas, organizados e chatos. Tenho de concordar, pois: amo/sou. Mesmo se você for de outro signo, trago-lhe uma boa notícia: pra economizar, terá de agir como um virginiano ao fazer listas, planilhas  e tals pra monitorar os seus gastos, entrada e saída.

Garanto que irá se assustar quando perceber que gasta horrores nos fastfood, cinema, etc. Aliás, sabia que todo esse dinheiro pode ser poupado? Comida tu tem em casa, cinema tem na Netflix/torrents... #reflita
Como vocês podem perceber, sou uma pessoa suuuupeeer contida e odeio gastar. É aquele ditado: faça o que eu digo, não o que faço. Se tiverem dicas de como ganhar mais dinheiro, joga nos comentários. Tamo todo mundo precisando! ;)

12 de julho de 2017

Sem perceber, eu me apaixonei!

julho 12, 2017 21 Comentários
Me apaixonei... Não foi paixão à primeira vista, confesso. Pelo menos não dessa vez, já que a maioria dos meus rolos surgem dessa forma. Também não foi planejado, algo que eu estava procurando e tinha como foco.  Graças a Deus não foi assim.

A conquista demorou um pouco. Na verdade, passaram-se cerca de quatro anos até eu cair na real e perceber que essa paixão poderia se transformar em amor, me abrindo muitas portas, inclusive a da felicidade.

Talvez eu seja uma dessas pessoas agraciadas pela vida, porque, sério (!), muita gente queria estar no meu lugar vivendo essa mesma paixão, acordando todos os dias com um motivo a mais pra sorrir.

Claro que nem tudo é só alegria! Pra hoje eu estar cantando “vitória”, muitas lágrimas rolaram de madrugada, além da dúvida de estar caminhando rumo à direção correta. É que já quebrei tanto a cara nessa vida que, sei lá, qualquer coisa que possa me trazer bem estar, já fico com um pé atrás.

Aliás, ainda não sei se essa paixão é parceira. Mesmo gostando muito, tenho medo do futuro, pois ele é tão incerto. Muita gente me diz que o bom mesmo é acreditar, tocar pra frente tudo o que aparecer no meu caminho e vida que segue.

Porém, esperança é algo que desaprendi a cultivar. Simplesmente saboto qualquer situação que aparecer na minha frente, seja ela boa ou ruim. Infelizmente, tenho mania de ser pessimista.

Aos poucos estou mudando! Essa paixão me trouxe muitas dúvidas, mas também certezas. Não reaprendi a ter esperança, mas comecei a torcer por a minha felicidade. Seria amor próprio? Vai saber!

Resumindo...


O fato é que eu e o Direito estamos bem, obrigado! Faltam 6 meses pro nosso “casamento”, após ficarmos alguns anos nos conhecendo e analisando a possibilidade de relacionamento sério. Tudo vai depender da OAB... Será se ela irá aceitar esse casamento? #oremos

10 de julho de 2017

Férias forçadas!

julho 10, 2017 11 Comentários
Caramba! O ano passou voando! Já estamos em julho, mais da metade de 2017. Geralmente, nesta época, eu paro pra fazer um balanço geral sobre as minhas conquistas, porém, neste ano joguei tudo pro ar.

Na verdade, fui forçado a deixar de lado todos os planos que tinha em mente. Tive férias forçadas.

Em fevereiro deste ano, me vi pedindo demissão de um trabalho que amava, contudo, não era bem remunerado (pra não dizer que recebia sempre atrasado!). À essa altura da vida, não vale à pena brincar e ser bonzinho, né?! As contas não esperam, e logo batem à porta! :(

Desde então vivo de freela! Uma hora aparecem alguns trocados, tem dias que penso em descer pra BR, pois: #putasempre. Além de louca, também sou burra, já que o meu último trampo foi apenas por contrato. Saudades, seguro desemprego! :(

Vocês pensam que tô triste? Acertaram mais ou menos! Às vezes entro em pânico, mas na maior parte do tempo tudo fica tranks. ;)

No fim, essas férias forçadas vieram em ótima hora, pois tive tempo pra acompanhar a minha avó no hospital, estudar como doido pras últimas provas da faculdade, etc. Ah!, entre todo esse período a minha cachorrinha teve a primeira cria... Enfim, altas aventuras, mulher!

Só que as férias acabaram! Euzinha já tô louca atrás de trabalho, atualizando currículo, selecionando empresas pra bater na porta e correr atrás do prejuízo, pois as contas só cresceram. #pobrezaextrema

E sabe o que é melhor? Refleti bastante e vou continuar com o meu blog. Siiim, a louca aqui sumiu da blogosfera! (Tava sem paciência pra escrever, mas agora voltei. Voltei com uma bagagem cheia de tretas pra compartilhar!).
E as férias de vocês tão boa? Espero que não sejam forçadas como a minha! ;)