Follow Us @soratemplates

14 de maio de 2019

Ser "normalzinho"

maio 14, 2019 0 Comentários


Hoje foi um dia doido. Não no sentido ruim! Foi apenas um dia atarefado, com alguns empecilhos no meio e, claro, eu enfiando os pés pelas mãos durante algumas situações. Às vezes, não sei o que fazer e acabo agindo por impulso... Nem sempre o bom humor é capaz de estar à meu favor, como hoje.

Ultimamente venho me sentindo perdido, sozinho... É como se fosse só eu e Deus lutando pelos meus objetivos. Aliás, quais são os meus objetivos? Não consigo enumerá-los, pois o meu foco está nas coisas urgentes e concretas, tais como como farei pra voltar do trabalho amanhã; se terei que andar mais 5km até chegar em casa; se terei grana pro lanche da tarde ou terei que comer bolacha novamente.

Sempre tive em mente que a vida de adulto não era fácil, mas agora sinto na pele os dramas da idade... De não ter terminado ainda a faculdade, de não ter um transporte, de a vida amorosa nunca andar, de ser inseguro com o corpo e a própria aparência.

É muito drama, muito problema, muito egoísmo pra uma pessoa só.

Só queria ser normalzinho, se é que existe alguém “normal” no mundo.

10 de maio de 2019

Sempre passa

maio 10, 2019 0 Comentários

Eu sou um trouxão por não saber valorizar as oportunidades que me aparecem. Porém, eu tenho uma defesa... Ou seria uma desculpa?

Timidez.

Ah, essa danada não deixa eu fazer muita coisa, pois eu vivo pensando nos “e se...” da vida.
E se o menino não gostar de mim?
E se o meu beijo não for o que ele tá procurando?
E se o meu futuro não for ele?
E se eu acabar me machucando novamente com essa paixão?

A verdade é que a todo momento eu estou procurando desculpas pros meus sentimentos. No fim, o resultado é sempre o mesmo: eu me sinto um lixo por não saber como conquistar alguém. Às vezes até conquisto, mas não sei como dar prosseguimento. 

Agora, neste exato momento, a minha vontade é de correr atrás de quem eu gosto, dizer o que sinto e tô escrevendo, porém, não tenho forças pra isso. É difícil colocar pra fora, além de existir o medo da rejeição. As experiências passadas não foram muito boas e, sério, não quero revivê-las.

As músicas tristes continuam tocando, o sentimento de vazio e solidão continua existindo... A dor por aqui é real. Mas vai passar. Sempre passa.


UPDATE:
É engraçado ler essas palavras agora... Quando escrevi, estava tão mal por gostar de alguém e não saber como chegar nela. Com medo e no impulso, corri atrás do dito cujo, mandei mensagem perguntando o que queria comigo e tive a certeza de que o meu esforço não valeria a pena.

Melhor assim...

Estou tentando pegar toda o sentimento depositado em outrem pra focá-lo 100% em mim. É aquela história: pra alguém gostar de mim, primeiro EU tenho que me bastar.

7 de maio de 2019

Seguindo...

maio 07, 2019 2 Comentários

Tá tudo tão doido por aqui. Os sonhos, os objetivos, os desejos, os medos... Tá tudo embaralhado e bagunçado. Não consigo me reconhecer nessa bagunça, mas continuo seguindo. Sem rumo, mas andando.

Eu não sei o que quero, o que busco... Me perdi em mim mesmo!

Uma hora me importo muito com as dores que insistem em dar as caras nos momentos mais difíceis; noutrora finjo que nada há. Nem ferida, nem cicatriz, nem alegria e nem tristeza. Há apenas eu e o silêncio.

Ou seria vazio o que há em mim?

Há um espaço bem grande à fim de ser ocupado na minha vida. A parcela de fé já está ok. Acho que falta algo... O amor, talvez.  O amor próprio, daqueles que vai me deixar forte e invencível; um sentimento capaz de me transportar do abismo diretamente pro alto da felicidade.

E eu sigo. Sorrindo, chorando, caindo, dançando, amando... Eu sigo! Continuo levando adiante o meu eu, mesmo que não haja tantos propósitos e realizações.

Eu sorrio pra dor, pro medo, a todos. Eu choro quando vejo minha pequenez e do quão grande o mundo é. Caio também. Muito. Contudo, o meu levantar é digno de dança e alegria... Sempre levantando a cabeça e persistindo no amor.

5 de fevereiro de 2019

Apresento-vos o Raphael!

fevereiro 05, 2019 5 Comentários
Nunca fui fã de plantas, do tipo que quer ter várias em casa e tals – minha mãe é que ama e tem uma infinidade no jardim. Eu achava o cultivo de plantas um saco... Porém, acompanhando algumas pessoas na internet, acabei resolvendo dar a chance aos cactos. 🌵

Quando estava no supermercado e vi uma promoção de cactos por apenas R$ 1.99, resolvi levar um pra casa (ou melhor: pra minha mesa de trabalho!). Em poucas horas eu já tinha até colocado um nome na plantinha. Foi assim que o Raphael surgiu na minha vida! ❤

O Raphael passou a ser meu colega de trabalho, pois ainda não tenho maturidade pra ser mãe de planta. ~Ainda~. Como passo muito tempo sozinho no escritório, quando bate uma deprê, olho pro cacto e sinto uma energia tão boa. É como se ele falasse comigo, sabe? Coisa de doido mesmo!!!
O mais legal de “cuidar” de um cacto é que ele é autodidata. A gente não precisa ficar regando toda hora, tirando do sol e colocando em meia-sombra e por aí vai. É bem tranquilo o cultivo! Creio que o processo é fácil e as chances de matar a planta são bem poucas, espero. 🙏

Aliás, tô amando tanto essa minha fase de véio que ando pesquisando formas de fazer o cacto ficar ainda mais lindo. Vocês sabiam, por exemplo, que tem como plantar (no mesmo vaso do cacto) mudas de flores pra fazer um “casamento” e elas ficarem ainda mais lindas? Pois é! 😍

Pra quem tá querendo começar a cuidar de plantinhas, fica alerta: sempre preste atenção quanto à quantidade de tempo em que a planta pode ficar sem água. No caso do Raphael, eu rego a cada 2 semanas, pois ele não tem contato com o sol e demora muito pra terra do vaso ficar seca. (Nesse artigo tem ótimas dicas pro cultivo de cactos.)

Enfim... Taí mais uma das minhas loucuras. Cuidar do Raphael tá sendo terapêutico e eu sofro antecipadamente só em pensar que há chances de eu mata-lo caso não cuide direitinho dele. Que venham os próximos capítulos dessa história!

1 de fevereiro de 2019

Retrospectiva de janeiro

fevereiro 01, 2019 2 Comentários
2019 nem começou direito e já estamos indo pro segundo mês do ano. Realmente o tempo tá passando muito rápido! 😟 Nesses poucos mais de 30 dias, muita coisa rolou por aqui... Teve mudança de casa, “adeus” à sentimentos antigos e reflexões (muitas, na verdade!).

Me lembro bem como foi a minha virada de ano. Fui dormir às 22h30 do dia 31/12/18 e acordei assustado com os fogos de artifícios; depois voltei a dormir e foi assim que dei boas-vindas à 2019. 😛

Não tô criando muitas expectativas pra 2019. Tenho vários objetivos em mente e pegarei firme neles. Por exemplo: quero fazer terapia semanalmente, continuar malhando e tentando me autocuidar. Mas tudo sem muita pressa, sabe? No meu tempo! 

Despedidas
Há um tempo estava sofrendo uma paixão. Pois é! Acabei gostando pra caramba de um carinha do trabalho... Pra piorar a coisa, eu tinha contato diário com ele, já que pegava carona pra vir à firma.

Decidi cortar contato pra lidar melhor com o sentimento. Até agora tem dado certo. Só não fiquei 100% bem porque na casa dele as coisas andam tensas. (Ele terminou um namoro e não superou ainda, o relacionamento com a família tá conturbado, tem drogas no meio... Mas ficarei longe! É melhor pra todo mundo, principalmente pra mim que lidei com um sentimento proibido, durante 5 meses, sozinho.) 💔
Mudança de casa
Meus pais resolveram mudar de casa e tudo aconteceu num prazo de 24h. À noite minha mãe propôs a mudança e no outro dia já estávamos com tudo empacotado. A nova casa é próxima à antiga, porém tem mais cômodos, um quintal lindo (e gramado!) e uma estrutura melhor. Amei e super me adaptei!

Outra coisa inusitada foi o lance da mudança. Minha mãe disse que mudaria à noite, mas não falou o horário. Assim que saí do trabalho, como de praxe, fui malhar. Quando cheguei na antiga casa não havia mais nada e nem ninguém. O povo mudou sem mim. Me senti num dos filmes da franquia “Esqueceram de mim”. 😂

Reflexões
Janeiro também foi um mês de reflexão. Passei muito tempo pensando sobre o rumo ao qual minha vida está tomando e decidi cortar algumas coisas, tais como relacionamentos abusivos. Sinceramente, to muito cansado de me doar à amizades que me sugam tempo, paciência, mas não se importam verdadeiramente comigo. Cansei demais.

Fico horas e horas ouvindo os desabafos alheio, mas a maioria das pessoas não ouvem o que sinto – e quando ouvem, não se importam com os meus problemas. Que “amizades” são essas?

No fim, os últimos 30 dias foram incríveis e rolou muito amadurecimento por aqui. Não espero nada de fevereiro. Quero apenas que os dias sejam incríveis pra mim, pra você... A todos nós!

30 de janeiro de 2019

De cara nova... De novo.

janeiro 30, 2019 5 Comentários
Amo blogs e não me imagino sem ter um. Posso ficar uns trezentos anos sem atualizar, mas acredito que sempre vou ter um cantinho na internet pra externalizar o que sinto ou compartilhar algumas coisinhas que acho interessante.

Nas últimas semanas me bateu uma puta preguiça da versão que usava do NVCD. Vou tentar explicar ~resumidamente~ tudo.

Layout
Em resumo, o layout só tinha duas cores: preto e branco. É que eu queria andar na onda clean, sabe? A maioria dos blogueiros que eu acompanho ‘tão seguindo esse rumo e eu não queria ficar pra trás. Me arrependi! 😓

Não tenho nada contra blogs com tema clarinho e tals... Só que esse não é o meu estilo! Eu sou daquele grupo de blogueiro que gosta de tudo colorido, vibrante, alegre, parada gay mesmo! Quero que a pessoa que acesse o meu diário virtual encontre uma explosão de cores! 🌈🌈

Wordpress
Outra coisa que tava me incomodando bastante era o Wordpress. Desde quando me entendo por gente (e brogueiro, craro!), ouvi muito o discurso de que profissional blogger deveria usar o WP, porque tem muitas funções e bla bla bla.
Realmente o Wordpress tem muitos recursos, porém, ao meu ver, ele é mais indicado pra quem quer um blog do tipo site ou liberdade pra explorar os conhecimentos em códigos e programação. Eu só quero um cantinho meio amador, colorido e aconchegante... Tipo coração de mãe! ❤

Corte de verbas
O que motivou a desistir do Wordpress e usar servidor gratuito (aka Blogger) foi o fato de que eu PRECISO cortar gastos. Tô devendo uma fortuna pra faculdade e só conseguirei formar após quitar o débito.

Eu estava gastando R$ 250/ano (200 de hospedagem + 50 de domínio). O valor é baixo, mas pra mim ~que tô quase deixando de comprar até comida pra economizar~ esse valor aí já dá pra pagar um boleto.

Então... Foi por esses e outros motivos que desisti do Wordpress e de pagar domínio. Esse ano completarei 8 anos do NVCD e não quero comemorar vivendo uma farça: ter blog bonitinho, num servidor top, mas não ganhar um centavo com isso e só se sentir desmotivado.

Em 8 anos já vivi muitas fases: blogueiro amador, tentativa de levar o blog como algo profissional... e em todas esses momentos só curti o lance de página pessoal. E é isso que o NVCD continuará sendo: um blog pessoal, simples e cheio de sentimentalismo e amor. 💗💗

22 de janeiro de 2019

Aprendizados e conquistas de 2018

janeiro 22, 2019 3 Comentários

Não! Este post não é uma retrospectiva de 2018!

Se 2017 foi o ano do desemprego, 2018 foi a época em que trabalhei muito e ganhei muita grana também. Infelizmente, não consegui fazer economias e me encontro no aperto novamente. Porém, dessa vez tenho emprego fixo e estou construindo uma reputação no mercado ao qual trabalho (publicidade).

Lembro que iniciei o ano passado com muita preocupação. Não sabia como pagar minha faculdade, não tinha emprego e estava sem transporte. Nesses mais de 300 dias deu pra aprender um montão de coisas sobre a vida e amadurecer um pouco.

Agora, em 2019, continuo com anseio quanto a minha faculdade e sem transporte. Contudo, aprendi que não vale a pena se desesperar por algo que exige planejamento e disciplina.  O certo é se organizar e continuar na batalha!

O mais legal de início/término de ciclos é que, mentalmente, a gente faz umas reflexões bem loucas e descobre que estamos aprendendo muito com o universo. Todo dia são milhares de lições que tiramos de fatos insignificantes ou até mesmo importantes. Sabe aquele lance de que a vida é a nossa maior professora? Então! Só não aprende quem não quer!

No quesito relacionamentos, tudo foi tranquilo. Não me envolvi com ninguém, apesar de passar o segundo semestre inteiro de 2018 nutrindo uma paixão por um colega de trabalho. No fim, percebi que ele queria só amizade e resolvi ficar um pouco mais distante até entender os motivos de um sentimento maior ter aparecido por aqui. Hoje não sinto nada, a não ser preocupação pela vida/futuro dele. A paixão passou.

Posso não ter viajado como queria ou comprado muitas roupinhas (como era o meu objetivo!), porém, 2018 foi um ano de autoconhecimento, amadurecimento e aceitação. Pude me conhecer melhor, me desafiar, mostrar do que sou capaz e lutar pelos meus objetivos. Ainda falta muito pra eu chegar onde desejo, mas a caminhada rumo à felicidade tem sido incrível e cheia de aprendizados.

Se vou cumprir as metas desejadas, não sei; o fato é que eu estou amando me amar e ser o maior amor da minha vida. 