Follow Us @soratemplates

31 de agosto de 2018

Dedos cruzados, braços abertos!

agosto 31, 2018 2 Comentários
"Fica com os dedos cruzados", a frase padrão para quando algo bom está por vir. Torce por mim, pede pra primeira estrela no céu, fico um mês sem chocolate se der tudo certo... Afinal, é sempre bom ter uma ajudinha extra, né? Um camarote vibrando em agonia, seu próprio time de líderes de torcida, com quem vai chegar o momento de sacudir os pompons da vitória no ar. Sua rede de força, física e mental, sem a qual ninguém consegue "chegar lá". Mas a boa intenção é suficiente? Será que ela, sozinha, concretiza objetivos, metas, planos e sonhos?

[caption id="attachment_9094" align="aligncenter" width="800"]Dedos cruzados, braços abertos! Imagem do Attention land[/caption]

Há quem diga que não, que "o que ninguém sabe, ninguém estraga", mas eu me recuso a acreditar nisso. Quero crer que pessoas emanam energia, e que sabendo onde buscar, são as boas energias que a gente vai encontrar. Muito ajuda e não atrapalha, mas também não resolve por si só. Essa força também tem que sair de nós mesmos, do correr atrás, do lutar loucamente pelo não desistir. Ela vem até do destino, ou quem sabe seriam oportunidades, que surgem na nossa vida... Uns dizem que é sorte, outros coincidência, mas sei lá... A palavra adequada, acho, seria "consequência".

Um trabalho que nem sempre é o dos sonhos, o amor que nunca é perfeito, comprar uma casa ou um carro ou uma bicicleta, ou mesmo "só" o livro que tá há tempos na lista de desejos. Prioridades mudam, coisas acontecem exatamente quando planejamos ou, sabe(?), surgem do nada, te saciando com o que você nem sabia que queria: no fim das contas não importa de onde o deleite veio. Mantenha os braços abertos, essa hora vai chegar, deixe um espaço para ela te abraçar, com força até tirar os pés do chão e a cabeça de órbita. Deixe abrir esse sorriso lindo!

É Ano Novo! Fogos de artifício e brindes de emoção: o ciclo está só começando. Então respira, inspira, vai!
Hello, hello, pessoal, eu sou a Luly, do Sweet Luly, e esse post é meu presente de aniversário e Blog Day pro Adriel, esse blogueiro tão querido que mora no meu coração! Para escrevê-lo usei como inspiração a proposta #318 (afinal, é 31/08) do Creative Writing Prompts um site cheio de ideias legais para desenvolver sua escrita criativa... Acabou casando DIREITINHO com a mensagem que queria passar, então aí está. Parabéns, Adriel!

30 de agosto de 2018

Retrospectiva do BEDA

agosto 30, 2018 0 Comentários
Wow! Cá estou eu escrevendo o último post do BEDA (Blog Every Day in August). Lembro perfeitamente do primeiro dia, quando estava produzindo as primeiras pautas. Passou muito rápido!

Esta é a primeira vez que participo pra valer do BEDA. Nas outras vezes eu até tentava, mas desanimava do meio pro fim. Houve alguns momentos em que me bateu desanimo e eu deixei pra postar faltando poucos minutos pro dia acabar. Também fiz alguns vários posts com data retroativa. Mas o importante é não desistir, não é mesmo?

Como eu já não disponho de inspiração e coragem pra pensar em mais pautas, resolvi encerrar o BEDA no dia 30, pois amanhã é o meu aniversário e eu tenho outras coisas em mente pra soltar aqui no blog. ;)

Abaixo, confira a lista dos 30 posts que escrevi neste mês de agosto.



01/08: Revendo seriados antigos

02/08: Analisando looks: Rick Negreiros, blogueiro e estudante de Publicidade

03/08: Resenha: “Quinze dias”, de Vitor Martins

04/08: Carta para um grande amor antigo

05/08: Coisas para fazer num fim de semana ~tedioso~

06/08: 24 metas aleatórias

07/08: Pautas para o BEDA

08/08: Falando sobre Marketing Digital: O que faz um social media?

09/08: Amor platônico

10/08: Wishlist de aniversário

11/08: Eu sou um pássaro, querido

12/08: Fim de semana na roça

13/08: Sem post

14/08: Pensamento do dia

15/08: To myself

16/08: As minhas deprê parecem não ter fim

17/08: O curso de Direito é bom?

18/08: Ele vai ser exposto, sim!

19/08: Talvez eu esteja louco… 

20/08: “Para todos os garotos que já amei” é bom?

21/08: Conexão mental

22/08: Na radiola: Allie X

23/08: Só por interesse eu não quero! 

24/08: Bodas de ouro dos meus avós

25/08: Várias opções e uma só resposta

26/08: UNINSPIRED 

27/08: Você precisa conhecer o drama japonês “Switched”

28/08: Parabéns, @fernandan! 

29/08: follow your dreams

30/08: Retrospectiva do BEDA 
Enfim... Acho que é isso! Agradeço a todos pelas visitas e comentários! 💗

29 de agosto de 2018

follow your dreams

agosto 29, 2018 1 Comentários
i don’t know when i decided that i would be a writer. i just started to write, to read a lot of books and thought about situations that i would put on words. i simply love to write and imagine things that exist only on my mind. it’s incredible, maybe a talent, right?

i dream too much. serious! anything makes me excited and give me the power to write cool texts. my blog, for example, is my favorite space. here, i share my feelings, fears and dreams, of course.

i don’t think that i’m a good writer, but i feel so proud of myself when others folks say that loved my texts. i’m insecure, you know? to hear positive things about something that i did, makes me happy and give me more energy to continue writing.

sincerely, i don’t have many dreams. i wanna publish a book, continue writing on my blog, finished college and… share the love wherever i go!

and by the way, i love so much the support that teacher sharon is giving me. i always wanted to talk in english. now, i wanna write in english too. i loved the experience to take a time to type these words.

finally… here’s be my first text in english! there aren’t 30 lines, but it’s already something! :p

28 de agosto de 2018

Parabéns, @fernandan!

agosto 28, 2018 0 Comentários
Há muito tempo 28 de agosto deixou de ser apenas um dia que antecede o meu aniversário. Desde quando conheci a Fernanda, do blog Confabulando, essa data passou a ter um significado especial, como se todo ano eu fosse celebrar a formatura na faculdade. Muito empolgante e maravilhoso desejar amor e sucesso pra Fê!

A Fernanda não sabe, mas ela é uma referência pra mim. De ser humano, de profissional, da forma como conduzir a vida e afins - e olha que não nos conhecemos pessoalmente. Muitas vezes eu paro algumas coisas e penso: “Como a Fê faria nessa situação?”. Não é falta de identidade própria, longe disso. Eu apenas gosto de me espelhar em alguém que propaga o bem e jamais teria coragem de maltratar uma formiga.



Pra quem não conhece, a Fê é da paz e do amor. Virginiana incorrigível, ela é daquelas que, sempre que pode, se entrega ao amor, mesmo sabendo das chances de sair machucada. E a grande verdade é que sempre saímos machucados. Não é que não temos sorte pro amor; apenas nos doamos demais ao relacionamento e nem todos dispõem de coragem pra isso.

Hoje, 28 de agosto, a Fê completa mais um ano de vida e eu não poderia estar mais feliz por ela. Atualmente, ela estuda e trabalha no Canadá... Com a cara e coragem ela resolveu largar tudo no Brasil pra correr atrás dos seus sonhos. Alguém consegue ter dúvidas do sucesso promissor de uma menina-mulher que se lança a viver num outro país, sozinha, sem família e amigos? Eu não! 💙

Fê, infelizmente não posso estar aí no Canadá pra te abraçar e desejar meus parabéns pessoalmente, mas espero que esse post te faça se sentir ainda mais especial, pois é isso que você é: muito incrível. Torço sempre pelo o teu sucesso e acredito que logo, logo o teu primeiro livro será lançado e será best seller no mundo inteiro. Amém?!
Feliz aniversário! Muita paz, saúde, amor e alegria na tua vida... O resto tu tem energia de sobra pra correr atrás! 🎉🎂

27 de agosto de 2018

Você precisa conhecer o drama japonês “Switched”

agosto 27, 2018 1 Comentários
A minha amiga, a Ana, me viciou na cultura coreana! Eu não sou fissurado por k-pop, mas quando se trata das produções pra tv, tipo filme/dorama, eu surto MUITO. 😍 Simplesmente esqueço do mundo real e foco totalmente na história dos meus OTP’s. A última vez que em pirei na batatinha foi vendo “Playfull Kiss”, inclusive saudades de ver o oppa Kim Hyun-joong nas telonas.

Eis que nesse fim de semana tive uma “recaída” e acabei voltando a surtar com as produções asiáticas. Juro que não queria (!), mas meio que a Netflix escancarou “Switched” na minha frente.

Á propósito, “Switched” não se trata de uma produção coreana, e sim japonesa. Liguei o foda-se pra esse detalhe e até agora tô apaixonado pelo Kaga. Ele é o oppa mais lindo e maravilhoso desse mundo! ♥



"Switched” é um drama que aborda temas atuais e pesados, tais como bullying e autoaceitação. Os personagens principais são:

- Ayumi (a mina da direita!): linda, popular e apaixonada por Koshiro.

- Umine (a mina do lado esquerdo): ela tem a autoestima baixa, depressão e sente um lixo na escola. Ela também é apaixonada por Koshiro.

- Koshiro: popular na escola e amor de infância de Ayumi e Umine.

- Kaga: deuso maravilhoso, engraçado e muito marido-dos-meus-sonhos. (Ele é o que tá na primeira foto).

Em resumo, esses quatro acabam trocando de corpos milhares de vezes. Tudo começou quando Umine que ter a vida/corpo de Ayumi. Fazendo umas macumbaiada doida ela acabou conseguindo. O problema é que: do que adianta você tem um corpo perfeito se o seu interior está completamente machucado?

Umine sofre muito. Ayumi também sofre por estar num corpo que jamais pensou em ter. Com cenas tristes e bem impactantes, vemos a fraqueza de cada personagem, descobrindo que basta apenas uma pessoa pra salvar a gente da depressão. Não é necessário muita gente, apenas o apoio de quem mais amamos.



Confesso que chorei muitas vezes quando ouvia as ~lindas~ palavras do Kaga à Ayumi. Teve uma hora em que ele disse:
"Não precisa voltar ao normal. Não importa sua aparência. Não tem que sorrir todo dia, ou ser forte ou não estar depressiva. Eu, sozinho, vou te amar no lugar de todos. Eu te amo, Ayumi!"  😢

Ayumi, cansada de todos chamarem ela de verme/lixo, soltou umas palavras muito tapão-na-cara-de-gente-preconceituosa:
"Antes de fazerem chacota de mim, de rirem de mim, de me odiarem, quero que saibam mais sobre mim. Apenas tentem tentem tocar minhas bochechas [para verem o quão lindas e macias são]!".  😍



Eu simplesmente não tenho palavras para descrever o quão lindo foi o meu fim de semana vendo este drama. Capaz de eu revê-lo qualquer hora só pra aprender a me amar e valorizar um pouco. Eu deposito expectativa demais nas opiniões alheias, sabe? Isso não é legal! A gente tem que se amar primeiro pra depois esperar/querer amor do próximo! Demorou muito, mas a Umine aprendeu a lição. Uma pena que teve que sofrer muito pra isso.
Fica aí a dica desse drama maravilhoso. Se assistir, me conte o que contou, belê? <3

 

25 de agosto de 2018

Várias opções e uma só resposta

agosto 25, 2018 1 Comentários
E se nós deixássemos de lado qualquer sentimento ruim?

E se a gente ignorasse as quedas diárias que a vida nos dá?

E se eu não mais chorasse sempre quando você vai embora?

E se eu e você formássemos dois corpos em um?

E se a saudade não doesse?

E se eu suportasse qualquer dor só pra te ver feliz?

E se você começasse a amar meus defeitos?

E se eu dançasse a valsa da felicidade ao seu lado?

E se eu não me importasse mais com os seus erros?

E se eu te chamasse de linda?

E se eu não mais lamentasse a sua ausência?

E se você me perdoasse por ser tão ingênuo?

E se você voltasse para mim?

E se você estivesse ao meu lado…

 

Com certeza o mundo teria cor,

A brisa voltaria a ser linda

E o único brilho que eu voltaria a enxergar seria o do teu olhar.

Na dor, na alegria, na saudade, perto, longe…

Não importa como,

Tampouco o porquê, para sempre eu irei te amar.

24 de agosto de 2018

Bodas de ouro dos meus avós

agosto 24, 2018 1 Comentários
Nessa sexta-feira, 24, meus avós completaram 50 anos de casados, logo a família inteira se reunião para comemorar as bodas de ouro. Há muito tempo a gente não fazia um encontro desses, sabe? Ao todo, umas 25 pessoas vieram pra um jantar aqui na minha casa. 😍

Desde quando me entendo por gente, meus avós são referência de casal. Eles lutaram e ainda lutam muito pra criar os 8 filhos. Fico aqui pensando... Se pra criar um único filho nos tempos de hoje é difícil, imagina 8?! Tem que ter bastante coragem!

Um fato engraçado na história deles é que o namoro começou por carta. Sério. Deixa eu resumir: minha avó não conhecia o meu avô pessoalmente e nem ele a conhecia. Eles ficaram por um certo período trocando cartas, até que o meu avô marcou de conhecê-la e nessa mesma época eles se casaram.



A história de dona Rosa começou no sertão no Piauí. Outro dia conversando com ela, a vó disse que queria sair de casa logo, ser independente e tals. A única “solução” era se casar. Disseram pra ela que havia um homem chamado José que tava caçando uma esposa... Desde então as cartas começaram a serem trocadas com bastante frequência (tipo: eles ficavam o mês inteiro esperando a carta ser entregue... Haja paciência!).

Após o casamento, eles decidiram vir pra região Norte, mais especificamente o Tocantins. Quando eles chegaram aqui em Araguaína, não havia progresso, asfalto nas ruas... Era um povoado ainda pequeno! Mais de 40 anos se passou... Meus avós viram a minha cidade natal crescer de 10 mil habitantes pra quase 200 mil pessoas.

Sinceramente, amo os meus avós e quero que eles vivam ainda muitos anos. Estou estudando e trabalhando pra dar uma vida melhor a eles, pois se tem pessoas que merecem ganhar o mundo, são dona Rosa e seu Zé Maria. 😍


23 de agosto de 2018

Só por interesse eu não quero!

agosto 23, 2018 0 Comentários
Vivo reclamando às minhas amigas sobre o amor. Sempre que posso estou dizendo que não tenho sorte, tampouco sei lidar com esse sentimento. E é verdade! Todas as pessoas que surgem no meu caminho só pioram o meu estado mental, nunca colaboram ou me trazem alegria. :(

Todos os caras por quem nutri uma paixão, sem exceção, nunca gostaram do eu que habita dentro de mim. Alguns rolos só existiram na minha mente, óbvio, mas os que se “concretizaram” também não rolou algo real, sentimento verdadeiro.

Em resumo, os fulanos não gostavam da minha pessoa, e sim do que eu poderia oferecer a eles – e não os culpo por isso. Talvez, eu tenho um pouco de culpa por demonstrar ter/ser algo eu não tenho/sou.

Até hoje os homens nunca chegam pra ficar com o Adriel. Eles aparecem porque querem ter contato com meus amigos “influentes”, querem cortesias em festas ou até mesmo desejam sair pra balada e ter algum idiota (eu) bancando as farras. É triste escrever isso e perceber que só perdi tempo ao lado dessas pessoas, mas evolução é isso: aceitar os erros e lutar para transformá-los.



Teve um caso, lá em 2015, onde um menino apareceu, me enganou e quando eu já estava na dele, o pé na minha bunda foi certeiro. Depois de analisar as circunstâncias, percebi que ele queria apenas um idiota preenchendo o seu ego vazio. Acredito que foi a partir daquele momento que acordei pra realidade e decidi que se for por interesse, não quero um relacionamento assim.

Quero alguém que me complete e compartilhe comigo não só os seus momentos bons, mas que divida as dores também; alguém que se sinta confortável pra chorar nos meus ombros e sorrir como idiota por coisas bobas.

Cansei de procurar por novas pessoas quando percebi que o alguém que busco está mais longe do que imagino. Provavelmente não está na minha cidade – talvez em outro país, sei lá. E estou bem quanto a isso. ✌

O destino sabe o que é melhor pra gente e eu costumo agradecer muito quando alguém some do meu caminho. Às vezes, é melhor só aceitar e não questionar muito. No futuro a gente sempre entende o porquê de fulano ter sumido pra bem longe da gente. Há males que vêm pro bem, meu amigo. 😘

22 de agosto de 2018

Na radiola: Allie X

agosto 22, 2018 0 Comentários
Já faz um tempinho que eu conheço a Allie X. Não tenho a mínima noção de como ela surgiu na minha vida, mas de uma coisa tenho certeza: ela é uma artista incrível. Não irei chamá-la apenas de cantora, porque no currículo dessa musa há tanta coisa... Compositora, atriz, ícone fashion, produtora musical e etc. 

A Allie ficou “famosa” depois que a Katy Perry tuitou que estava muito viciada na música “Catch”. Bastou um tweet pra geral começar a declarar amor por Allie. E o sucesso foi muito merecido, viu? A música é muito linda, tem uns batidas dark e tals. 😍

Aos desinformados, “Allie X” é o nome artístico de Alexandra Ashley Hughes. A cantora nasceu em Ontario, no Canadá, e tem 35 anos.


Origem do nome


A Allie tem uma explicação muito foda pro uso do “X” em seu nome artístico:

“Através da história, X’s tem tido muitos significados culturais, matemáticos e simbólicos. Para mim, X representa anonimidade. A habilidade de deixar o prato limpo. Quando uma pessoa qualquer coloca o X como seu nome, significa que podem ser qualquer um, e eu gosto desta ideia. Quando adotei o X para o meu próprio nome, me deu a liberdade de apagar o passado e ser quem quer que eu quisesse ser.”

80’s vibe  


Se você gosta de músicas atuais com referência às canções do passado, as produções da Allie têm essa vibe e eu super indico. Não só as músicas, claro. Os clipes sempre têm um visual meio obscuro. É muito bom ouvir uma música boa com um clipe sem grandes produções, porém ótimo!  Ah, Allie já compôs música pra um bocado de artista, tipo o Troye Sivan.

Outra coisa que amo são as rodadas que Allie dá nos lyrics vídeos. Fico um pouquinho tonto? Sim, porém amo! 💗


Há mais de 2 anos seguindo os passos da Allie, ainda não consegui eleger minha música favorita. Simplesmente AMO todas as músicas do Collxtion I e Collxtion II. ❤

21 de agosto de 2018

Conexão mental

agosto 21, 2018 2 Comentários
Passei o fim de semana inteiro tendo pensamentos recorrentes a ti. Sei que é um erro insistir em algo que não irá pra frente, mas que culpa eu tenho? Sou inocente dessa vez, juro! Prometo que tentarei não mais pensar em ti. Isso não é saudável pra mim, nem pra ti, tampouco pra nossa “amizade”.

Queria um dia ter um papo cara a cara contigo, sem sentir vergonha de te encarar. Queria poder olhar nos teus olhos e saber o que se passa na tua mente. Tenho até algumas possibilidades em mente...

Acho que boa parte do tempo tu deve pensar em festa, farras na faculdade, na tua namorada e em como me dar um perdido. Fique tranquilo que não demorará muito tempo pra que esse último desejo se realize, viu? Não quero ser um incômodo ou um peso (literalmente) na tua vida!

Não, não. Não precisa me encarar como se quisesse que eu sumisse da tua frente. Dói demais ser massacrado pelo teu olhar – uns dos olhares que mais me faz bem ao acordar ou após sair do trabalho. Te juro que facilitarei as coisas pra ti agora...

Quando tu me toca sem querer, mil pensamentos surgem na minha mente. Esse é um erro tão grande... Tua namorada não merece, tu não merece! Fique tranquilo que já estou tomando algumas providencias: umas delas será me afastar. Não quero e não vou alimentar essa paixão sozinho.

A nossa conexão mental não funciona, cara. Tu curte outras coisas e deseja outras pessoas. Te respeitarei e sumirei! Fique tranquilo, pois isso será melhor pra nós dois. Não tenho nada pra acrescentar na tua vida, apenas o necessário pra destruí-la.

Fique bem aí! Sorte e sucesso!
P.S.: Eu amei conhecer a sua mãe! Ela é incrível e deve se sentir muito feliz por ter um filho como você!

20 de agosto de 2018

"Para todos os garotos que já amei" é bom?

agosto 20, 2018 2 Comentários
A Netflix é a ~queridinha do momento~ quando o assunto é clichê-adolescente-mara-da-vida. Quem gosta desse gênero, seja lá filme ou série, tem um catálogo imenso à disposição. Aos que não gostam, meus pêsames! 😔

Recentemente a Netflix lançou mais um filme com uma temática teen – e não foi qualquer produção. Trata-se da adaptação da série de livros “Para todos os garotos que já amei”, romance escrito pela Jenny Han.

(Antes de contar sobre o que achei do filme, deixa eu revelar uma coisa: essa história poderia ser a minha, tirando o fato de que comigo não houve final feliz.) 😔

http://naomevenhacomdesculpas.com.br/wp-content/uploads/2018/08/para-todos-os-garotos-que-j%C3%A1-amei-filme-02.jpg

Em “Para todos os garotos que já amei”, conhecemos diversos personagens, dentre eles a Lara Jean: guria de 16 anos que, desde criança, escreve carta às pessoas que ela se apaixona. Ao todo, foram 05 cartas escritas aos boys. Se eles dessem um pouquinho mais de atenção, seria o suficiente pra ela imaginar um casamento, três filhos e uma casa no meio das colinas. #aloka

Exageros à parte, a Lara Jean representa um pouquinho de cada um de nós durante o ensino médio. Pode confessar! Você já se apaixonou, pensou em se declarar e, talvez, até escreveu bilhetinhos fofos pra algum boy, belê? Se você não fez nada disso, mesmo assim você é uma Lara Jean da vida, que sofreu calada, sozinha e deixou passar mil oportunidades de agarrar algum macho.

Graçadels alguém resolveu tomar uma atitude e “acordar” a Lara Jean desses sonhos de ficar escrevendo cartas que nunca seriam entregues. A irmã mais nova, a Kitty, pegou as cartas e as enviou a todos os destinatários. O problema é que uma das cartas foi entregue ao Josh, namorado da irmã mais velha da L.J., carinha pelo qual ela tinha uma queda desde sempre.

http://naomevenhacomdesculpas.com.br/wp-content/uploads/2018/08/para-todos-os-garotos-que-j%C3%A1-amei-filme.jpg

Aqui vai a minha defesa a favor de Lara Jean!


Tudo bem se apaixonar por alguém mais novo/velho; tudo bem se apaixonar pelo cara mais gato/feio da sua turminha de amigos; tudo bem se apaixonar pelo namorado da sua irmã... Eu me apaixonei pelo meu colega-de-trabalho-comprometido!

É aceitável gostar mais do que o normal de alguém que esteja comprometido... Feio mesmo é fazer algo que machuque a pessoa ou acabe com o relacionamento dela!

Se Lara Jean foi uma má pessoa ou não, só assistindo ao filme pra saber qual boy ela pegará e quais barracos acontecerão. Mais um detalhe: o filme é fofo e tem uma trilha sonora muito boa!  😍

19 de agosto de 2018

Talvez eu esteja louco...

agosto 19, 2018 3 Comentários

Ouvindo "Breath Low", da Alesha Dixon


Faltam poucos minutos pro fim do expediente! Tenho muita coisa pra fazer... Muitas do tipo muitas mesmo! Relatório mensal, atualização de banco de dados, monitoramento das redes sociais... A lista é imensa e eu não estou nada preocupado. E não estar preocupado faz eu ficar preocupado! :P

Mas eu não quero escrever sobre isso. Triconto sobre tretas no trabalho em outra oportunidade. O que preciso desabafar é sobre a minha fissura pelo D. Tá piorando a cada dia as coisas por aqui. Deixa eu contextualizar...

Quando conheci o D., eu trabalhava na empresa x. Um ano após o D. ir embora, acabei saindo da empresa. Agora, 4 anos após toda a treta, voltei a trabalhar na empresa x, porém, o meu contato com D. não retornou. Na verdade, o D. finge que eu nem existo. E eu entendo.

Não houve absolutamente nada entre eu e o D. Por que ele pensaria em mim ou viria conversar comigo? Não há motivos! Não fui especial pra ele. Nem como amigo.

Pensar sobre o meu não-relacionamento com o D. me deixa mal. Muito mal. Eu gostaria de saber como fazer pra esquecê-lo. Da internet eu já aprendi: apenas parar de procurar por novas atualizações nas redes sócias. Mas, e da mente? Como fazer pra não pensar nele, na época em que o conheci?

Tô amando o meu trabalho. De verdade. Faço as coisas que gosto, sem pressão e bla bla bla... Mas esse lugar me lembra ele. Me lembra da época em que eu ficava esperando por mensagens no celular, marcações de rolês e tals.

Tô caminhando pra casa dos 24 anos, mas pirando a cada dia. Crise de ansiedade, medo, medo, medo e mais medo. Olha, D., gostaria nem de ter te conhecido.

Affão.

17 de agosto de 2018

Ele vai ser exposto, sim!

agosto 17, 2018 6 Comentários
Não tenho absolutamente nada contra quem vive dentro do armário. Direito de cada um, né? O que não apoio são pessoas se aproveitarem da boa vontade alheia pra se dar bem na vida. No mundo LGBT+ isso é tão comum... Nós, viados, somos muito inteligentes pra algumas coisas, mas muito burros quando o assunto é relacionamento. Às vezes, damos casa, comida e roupa lavada pra quem não merece nem tomar no cu, literalmente.

A história seguinte aconteceu em 2013, quando eu tinha 19 anos. Hoje, com 23, continuo sendo babaca, só que um pouquinho mais esperto. Então, thanks ao idiota que me ajudou a evoluir nessa vida. 😘

O Miguel era lindo. Uma foto foi o suficiente pra despertar interesse em conhecê-lo melhor. Adicionei-o imediatamente no Facebook, naquele meu perfil-fake-super-badalado, que funcionava meio que “Gossip Girl” ao contar os podres da “elite” araguainense.

Já sabendo que a Amanda Castro era famosa e influente, Miguel aceitou a minha solicitação de amizade prontamente, começando a puxar assunto. Na época não sabia, porém, o intuito dele era se tornar meu amigo pra não virar alvo das fofocas que eu publicava. E eram várias infos: de traição à orgias.

Papo vai, papo vem... Revelei a minha identidade pro Miguel, daí começamos a ser amigos no meu Facebook pessoal, trocamos número de celular e e-mail. Tava tudo uma maravilha: eu me apaixonando e o lindo me dando corda (iludindo-me seria mais correto!), mesmo ele sendo "hétero" diante da sociedade.

Sedutor nato e covarde, o fofo percebeu que eu estava gostando dele. Quando viu que poderia lucrar um dinheirinho em cima do meu amor platônico, Miguel inventou dívidas altíssimas, passando de R$ 2 mil.

Naquela época eu trabalhava num portal de notícias como redator. O salário era merda, mas as pessoas de fora pensavam que rolava muito dinheiro. Até hoje espero o pagamento dos meus salários atrasados... Patrões fdp? Oh, yes!

Sem vergonha alguma, Miguel disse que estava endividado e com agiotas na cola. Havia até ameaça de morte. Eu era tão inocente que fiquei mais desesperado do que ele. E o que fiz? Saquei todo o meu salário (que não era muito) e doei pro lindo.

Resumindo: assim que pegou o dinheiro, o fofo sumiu, me virou às costas e ligou o dane-se pros meus sentimentos. Mas antes de partir totalmente, conseguiu um emprego com a minha ajuda, além de tornar-se "popular" no meio da “elite”.

Miguel sumiu. Foi pra bem longe de mim, graças a Deus. Ele formou-se na faculdade de Sistemas de Informação e diz no Instagram que é apaixonado por tecnologia e inglês. Faltou acrescentar que também é um perfeito viado-filho-da-puta.

O que ficou por aqui foi ódio, ressentimento e um pouquinho de vergonha alheia. Meus pais, desde sempre, me ensinaram princípios, e um deles é de que não vale à pena se sujeitar a qualquer coisa por dinheiro. Infelizmente, Miguel deve ter perdido essa aula na faculdade, preferindo ficar com os riquinhos nos banheiros das boates. 

O curso de Direito é bom?

agosto 17, 2018 2 Comentários
Tudo começou lá em 2011, quando terminei o ensino médio aos 16 e decidi que me daria um ano de “férias”. O ano de 2012 bateu a porta, todos os meus amigos já estavam numa faculdade e eu com ~invejinha branca~ por não ter entrado ainda no ensino superior.

A desculpa é que não havia jornalismo/publicidade/psicologia na minha cidade... Então, apareceu a oportunidade estudar Direito. E lá fui eu! Antes de completar 18 anos, estava entrando numa faculdade que era referência na cidade/estado/país e dando boas-vindas ao mundo jurídico. Ainda me questiono se foi uma boa escolha...
Prestes a apresentar TCC, fazer o exame da OAB e concluir as últimas matérias, cheguei à conclusão de uma coisa: gosto de desafios!

Estudar Direito nunca passou pela minha cabeça. Sempre curti escrever, criar, ouvir pessoas... Nada tinha relação com o mundo jurídico! Na verdade, sempre achei o curso voltado pra gente determinada, forte e que tinha o dom da persuasão. Ou seja: nada que combinava comigo, pois sou cagão e mó vergonhoso em público.

Mas eu fui! Com a cara e coragem, comecei a faculdade!



Períodos

No 1º período reprovei em duas matérias, uma delas Direito Civil (a principal do semestre que eu hoje eu amo pra caramba!). No segundo eu passei em todas. No terceiro idem. No quarto... Também! No quinto veio a decepção com o curso...

Direito Penal não é pra mim, já coloquei isso na minha cabeça. Aquelas milhões de teorias não me ganharam ainda. Mas, pra eu formar, terei que aprender a gostar. Ou pelo menos fingir pra mim mesmo.

Do quinto período em diante, sempre fui ficando em Processo Penal e matérias voltadas pra essa área. Não entra na minha mente as teorias, sabe? Nunca quis estudar Direito, quem dirá Penal. Mas eu entendo: um bom profissional tem que saber  pelo menos o básico de cada área...

O curso  

Diferente do que eu tinha em mente, Direito é um curso muito bom! Mesmo tendo dificuldades com a área penal, aconselho o estudo a todos.

Mais do que estudar sobre normas e bla bla bla, o curso nos possibilita olhar pro ser humano não apenas como itens terrestres, mas pessoas que dispõe de direitos e deveres; seres que devem ser tratadas de formas iguais, tendo sempre o cumprimento do devido processo legal e princípios muito importantes para a resolução de conflitos.

Além disso, aprendemos sobre como lidar com os problemas diários, seja no trabalho, em casa, com o governo... Enfim, em todas as áreas da vida!
São 5 anos que passam muito rápidos e nos deixam uma carga enorme de aprendizado e vontade de exercer a profissão, seja como advogado ou nos demais cargos que os bacharéis podem atuar.

Recomendo muito, mesmo me decepcionado com algumas coisas (leia-se professores!).

15 de agosto de 2018

As minhas deprê parecem não ter fim

agosto 15, 2018 1 Comentários
 

Não sofro mais pelo grande amor da minha vida, o responsável por bagunçar a minha mente durante um bom tempo; não reclamo da falta de emprego, pois, finalmente, estou trabalhando com o que amo numa empresa bem legal. Não reclamo por não ter um namorado, porque sei eu não estou preparado pra dividir minhas dores e medos. Talvez eu jamais esteja pronto, logo nunca ficarei com alguém.

Eu sofro por carência. De amizades e companhias no dia a dia. A cada dia me sinto mais sozinho. Nem a minha família preenche esse vazio. Mas eu prefiro ficar calado quanto aos motivos das minhas deprê... Acho que ninguém entenderia!

Tem dias em que em eu faço longas caminhadas pra tentar colocar a mente no lugar e buscar soluções pras tristezas repentinas que sinto (algumas pessoas pensam que é porque quero emagrecer... Ledo engano!). Às vezes essas corridas funcionam, mas hoje não obtive sucesso. Fui pra pista de cooper triste e voltei ainda mais triste.

Tentei desabafar nos stories do Instagram, pensando que alguém viria falar comigo. Porém, quem viu os vídeos não fez questão de vir perguntar como eu estou. Mas tudo bem! Ninguém é obrigado a se importar com as dores e medos dos outros...

As minhas deprê parecem não ter fim! Pelo menos não passo 24h/7 com ela... Mas é muito chato sofrer por sentimentos tão egoístas. Como assim ficar triste porque ninguém se importa comigo, com as coisas que faço? Por que baixar a cabeça quando alguém não fizer a mínima pro que escrevo ou falo? Não deveria ser assim...

Eu já deveria ter acostumado desde o início com a rejeição. Não sou rico/milionário/lindo/perfeito pra ter milhões de pessoas ao meu lado... Não tenho com o que contribuir; não sou importante. Na verdade, sou útil aos outros por ocasiões. Quando precisam da minha ajuda, lá estou de braços abertos pra ajudar... Mas quando já não precisam de mim, é na fila da amargura e solidão que me abandonam.

As minhas deprê parecem não ter fim, mas eu sei como por um fim nelas. E eu irei procurar ajuda... Nem que seja escrevendo pra mim mesmo, na intenção de encontrar uma luz no fim do túnel.

To myself

agosto 15, 2018 1 Comentários
Wow, Adriel! Há quanto tempo você não arriscava usar uma roupa diferente e saía da caixinha? Tá de parabéns, viu?! Aprovo sua atitude e espero que você continue evoluindo! Você merece ganhar o mundo e, com muita força de vontade, isso será possível o mais breve possível.

Sei bem que nos últimos dois dias você teve sonhos estranhos, porém bons. É isso aí! Continue pensando positivamente pra que os seus objetivos se realizem. Eu, aqui dentro de você, sou o seu maior apoiador e tô sempre enviando forças e coragem.

Desde que mudou o escritório da firma, você tem se sentido com muita vontade de crescer profissionalmente e mostrar que pode chegar longe. Tô adorando ver (e te ajudar!) nessa etapa. Sinceramente, acredito que a maré de felicidade tá só chegando por aí! Logo, logo as conquistas virão e, nossa, vamos comemorar muito: você aí do lado externo do mundo e eu por aqui, na sua mente.

Adriel, não sofra por amor. Não agora. A pessoa que você se interessa não gosta de você. Jamais gostará! E não é porque você se acha feio, gordo ou tem milhares de traumas... Ele simplesmente não é pra você!

Eu sei, eu sei. Você ainda quer cultivar essa esperança de que ele pode te querer, sim. Mas, imagine bem: se ele te encarasse e dissesse que gostava de você, como você reagiria? Iria gostar ou ficar ainda mais tímido? Às vezes, é melhor ganhar uma amizade do que perde-la por culpa própria; por não dar conta de controlar os sentimentos.

Eu sei que você ficará bem e tentará ao máximo controlar a sua mente. Sei disso porque estou junto com você!

Mantenha essa onda de positividade na sua vida, por favor. Tô amando te ver acreditando em si mesmo e lutando, mesmo que sozinho. Siga em frente e olhe pra trás quantas vezes quiser. É olhando pra trás que você vai conseguir ver o quão forte foi e ganhará impulso pra continuar na jornada da vida.

Eu te amo pra caramba. Eu, seus amigos, família, pessoas da internet... Tem também algum carinha por aí só esperando a hora certa pra aparecer. Por enquanto ele é um mistério, e ok por isso. Tudo no tempo certo, garoto!
Repetindo novamente: eu te amo e você merece ser muito feliz.

14 de agosto de 2018

Pensamento do dia

agosto 14, 2018 1 Comentários
Confiar mais em si mesmo, resolver um problema de cada e ser otimista são alguns dos passos para o sucesso (pessoal e profissional). Tem dias em que simplesmente acordaremos não dispostos a enfrentar a vida... Quando estivermos diante desses períodos, melhor mesmo é meditar e confiar que dias melhores virão. Vida perfeita nunca existirá, mas dias melhores, sim.

13 de agosto de 2018

12 de agosto de 2018

Fim de semana na roça

agosto 12, 2018 1 Comentários
Falando a verdade: amo a cidade/zona urbana. Adoro os avanços que temos com as tecnologias, poder ir ao cinema, bater perna nas lojas e tals. Mas a minha família inteira também curte o sertão. Os meus avós maternos, por exemplo, vieram lá do interior do Piauí... Não teve como eu não deixar de amar também a roça! 😍

Desde quando me entendo por gente, sempre fui às chácaras perto da cidade ou até mesmo viajei trocentos mil quilômetros pra ir ao sítio da minha tia. Simplesmente adoro estar no meio dos matos, longe de carros e plantando algo pra colher futuramente. Se você nunca plantou milho, mandioca e afins, tá perdendo muito essa experiência de vida.

Viver no campo, sem dúvida alguma, é terapêutico. Vai por mim! ;)



Nesse último fim de semana fui descansar a mente na chácara da minha tia. O espaço fica há pouco mais de 40 km daqui de Araguaína. Quando chegou a hora de vir embora, confesso que fiquei um pouquinho triste – e não foi só em pegar a estrada (sim, tenho muito medo de andar nas BR’s da vida!). Realmente adorei o lugar e mal posso esperar pra voltar! 💟

Eu não conhecia ainda a Chácara Dois Irmãos... Quando cheguei lá, foi amor à primeira vista! O espaço é bem aconchegante, tem barracão pra armar rede, locais pra montarmos barracas e um clima agradável. Também acabei fazendo trilhas com os meus primos e banhei numa piscina natural linda. E sim: pesquei pela primeira vez! 🐟 De madrugada fez tanto frio que eu tive que me embrulhar em dois lençóis - e olha que sou a pessoa mais calorenta desse mundo.

Voltei pra cidade com mais disposição pra encarar a nova semana que se inicia daqui a pouco e com coragem pra enfrentar os meus medos. Acho incrível o poder da natureza em restaurar as minhas energias... Mal posso esperar pelo próximo fds! Quero ir pra outro lugar, desde que eu esteja em contato com a natureza. Será se rola a Cachoeira do Tempero, em Wanderlândia? Let’s go! ;)

11 de agosto de 2018

Eu sou um pássaro, querido

agosto 11, 2018 0 Comentários
Quando resolvi vir para a casa da minha irmã, meu objetivo era ficar uns dias longe do Rone, no intuito de sentir saudades e todo aquele amor que existia renascer magicamente. Contudo, algo inesperado aconteceu.

O meu casamento não estava bem, disso eu tinha certeza. Não via mais o Rone como aquele homem maravilhoso, carinhoso, cuidadoso... Nossa relação parecia ter esfriado após o nascimento do nosso primeiro filho. Confesso que também mudei bastante... Na verdade, estava assustada com a vida de dona de casa. Era tanta responsabilidade!

Pra "esfriar a mente", vim passar alguns dias na casa da minha irmã, em Juiz de Fora (MG). Ao todo, fiquei duas semanas descansando, meditando e tentando encontrar uma solução pra minha vida.

Vamos lá à alguns detalhes importantes...

Meu nome é Giovanna, tenho 19 anos e aos 17 fiquei grávida. Não foi uma gestação planejada, infelizmente. Amo profundamente o Bento (meu filho) e o seu pai, mas  às vezes sinto saudades da liberdade que tinha antes; de poder sair por aí, sem pressa pra voltar e sem alguém me esperando.

Assim que fiquei grávida, acabei indo morar com o Rone. No começo foi tudo festa, é verdade. Fui mimada, ganhei presentes e não era tão cobrada. Com a chegada do Bento, as coisas continuaram um mar de rosas.

Porém, no segundo ano de casamento tudo mudou. Comecei a sentir vontade de sair com mais frequência, de beber, fumar, ficar ao lado dos meus amigos que continuavam farreando por aí... Rone não queira o mesmo, pois já era bastante maduro e responsável. Com menos de 30 anos de idade, já era um homem completo. Um excelente pai, marido, filho... O cara que qualquer mulher queria ao lado, menos eu.

Sem explicação alguma, de uns tempos pra cá comecei a ver o Rone com outros olhos. Já não via mais graça no sexo, no beijo, nos seus carinhos... Do nada, surgiu uma repulsa em mim por ele. Toda noite eu sentia vontade de vomitar quando ele me tocava. Juro que não era frescura.

Durante uma noite de bebedeira na casa da minha irmã, acabei ficando com um cara. Na era qualquer pessoa, era apenas o primo e melhor amigo do Rone. O meu mundo caiu a partir daquele momento, pois a realidade bateu à porta: tinha que terminar aquele casamento o mais rápido possível e me entregar àquela paixão.

Há muito tempo eu não me sentia viva como no dia em que tive aquela aventura maluca, colocando tudo em jogo.

No outro dia após a farra/traição, comprei as passagens pra ir pra casa. Em 4 dias iria voltar e terminar com aquela farsa. Estava cansada de fingir orgasmo e alegria que não existia. Mas Rone foi mais rápido. Ele estava vindo para a casa da minha irmã, pois já aguentava mais a saudade de mim e do Bento.

Rone chegou de madrugada na casa da minha irmã. Eu fingi que estava dormindo pra não ter que abraçá-lo ou até mesmo fazer sexo. No outro dia, acordei cedo, tomei um banho e esperei açordá-lo. Fomos ao parque da cidade e lá tivemos a nossa conversa. Foi tenso.

Contei sobre a minha decisão e, imediatamente, ele começou a chorar. Por diversas vezes ele disse que me amava, e eu sabia que aquelas palavras eram reais. Porém, eu já não o amava. Tinha pena dele por gostar tanto de uma pessoa tão má e insensível como eu.
- Giavanna, sempre te vi como um pássaro. Sabia que uma hora ou outra eu iria te perder, pois suas asas iriam crescer e você iria voar pra longe de mim. Estou sentindo uma dor muito grande no peito. Estou ferido, vendo tudo cinza e sem alegria. Peço perdão se já falhei alguma vez contigo, saiba que essa não foi minha intenção. Eu te amo e deixarei você voar. Não é isso que a gente faz quando gosta de verdade de alguém? Eu continuarei lutando pelo nosso filho e irei reconstruir minha vida. Dizem que os pássaros sempre voltam às gaiolas de ondem fugiram... Bem, se viver ao meu lado era uma prisão, prefiro que você não volte jamais. Adeus.

Após desferir um lança no meu coração, Rone levantou-se e foi embora. Sabia que havia arruinado um pouco a sua vida e que as chances da gente voltar eram quase nulas. Mas ok. Irei voar e procurar outros ares. Se todos forem ruins, também poderei recomeçar do zero.

Quanto ao Bento, creio que a melhor pessoa pra cuidar dele não sou eu. Neste momento, só quero voar. Sozinha.

10 de agosto de 2018

Wishlist de aniversário

agosto 10, 2018 2 Comentários
Meu aniversário será no final de agosto (31/08) e eu nem estou muito animado pra comemorar com muita gente. Na verdade, estou pensando em ir à balada e dançar loucamente. Sozinho. Nunca fiz algo do tipo, então, taí uma oportunidade bacana pra celebrar a chegada dos 24 anos. 

Não tô me achando velho (ainda). Parece que chegou aquela fase em que não estou mais preocupado com idade, e sim em quitar as contas, fazer novas dívidas e ir riscando da lista os meus desejos – que são muitos e caros, por sinal. 😉

Num rápido retrospecto de 2017 pra cá, muita água jorrou e muitas conquistas alcancei. Troquei de celular (finalmente voltei a usar iOS), comprei um novo computador e não terminei (ainda) a faculdade. Estou animado pro próximo ciclo, pois sei que até lá já terei concluído a faculdade e adquirido um novo transporte. #oremos

Ano passado não fiz wishlist, mas dessa vez escolhi algumas coisinhas. Umas são acessíveis e outras são um pouco utópicas. Vamos lá?!



01 – Livro “Um milhão de finais felizes”, de Vitor Martins

Simplesmente amei o livro de estreia do Vitor, logo não poderia deixar de querer o segundo livro dele. A escrita é muito incrível e adoro a forma como ele cria os personagens.  😍

 02: Fones de ouvido JBL

O meu fone original do iPhone tá quase batendo as botas e eu quero muito qualquer coisa da JBL: serve caixinha, fone de ouvido (sem ou com fio).

03: Arara de roupas

Vim uma menina no Instagram montando a arara de roupas delas e decidi que PRECISO com urgência de uma. Vai “enfeitar” o meu quarto e me proporcionar rapidez ao escolher os looks do dia.

04: Balança de precisão

Pois é! Vou vender drogas! Hahahaha. Zoeira. :P Meu consultor fitness me passou uma dieta babado e eu preciso da balança pra não extrapolar durante as refeições.

05: Cases pro celular

Migos, eu uso um iPhone 6S e aceito qualquer case de silicone colorida. #ficaadica



06: TV de 32 polegadas

Pode ser qualquer marca, mas eu ainda terei uma tv enfiada na parede do meu quarto. Anota aí!

07: Copinho do Starbucks

Aqui na cidade não tem Starbucks, Giraffas, McDonald's e tals. Meu sonho é ter um copinho de recordação. Vai ser o jeito comprar uma imitação pra deixar na mesa do trabalho e ostentar horrores.

08: Ticket de viagens

Não precisa nem ser viagem em avião, pode ser busão mesmo. Tô aceitando tudo!

09: Cachorrinho

Quero adotar um cachorrinho, mas ainda não decidi a raça. Talvez seja mais um pinscher! 💚
E esses são alguns dos meus desejos. Tenho certeza de que não vou ganhar nada, mas taí algumas coisas que eu lutarei MUITO pra conseguir. ;) 

 

9 de agosto de 2018

Amor platônico

agosto 09, 2018 1 Comentários
Você conhece uma nova pessoa, começa a saber detalhes sobre a vida dela, entra em pânico quando ela fala com você... Só que ela tem um ~pequeno~ detalhe: é comprometida e está em um relacionamento sério há anos; às vezes, o namoro iniciou na adolescência, quando o casal estava descobrindo ainda como resolver (em parceria) os problemas de matemática.

A situação piora ainda mais quando o dito cujo não curte pessoas do seu tipo. Em outras palavras: o menino é hétero e jamais deu pistas de que teria coragem de se envolver com um gay.

O seu mundo desaba quando descobre que está de cara com mais um amor platônico; um lance que não irá pra frente de forma alguma e, novamente, alguém vai sair ferido – e em todas as vezes esse alguém é você.

Choro, vontade de não existir, um vazio por dentro surge e você perde o controle de si mesmo. O céu muda de cor, as músicas que antes te animavam já não fazem mais sentido de serem escutadas... As suas roupas preferidas ficam entocadas no guarda-roupa e você deixa de querer viver. O mundo parou de ter graça por causa de uma pessoa que não te quer de forma alguma.

Encarar a verdade dói muito quando os fatos são pesados. Aceitar que não irá ser feliz com determinada pessoa é muito triste, porque você criou na mente toda uma programação, os dias em que o casal iria sair pra ir ao cinema, viajar pra uma cidade vizinha ou até mesmo montou as playlists que seriam compartilhadas entre ambos.

Ver a pessoa e não poder tocar; ouvir a voz e não poder dizer que a acha linda; não poder encarar logo cedo aqueles olhos que acabaram de serem abertos... É muito doloroso passar por tudo isso e simplesmente fingir que há uma amizade (que nem deveria existir, na verdade!). Mais triste ainda é continuar alimentando essa paixão e esperar o destino resolver tudo, porque você simplesmente não tem força pra lutar contra os sentimentos.

É muito cansativo lidar com tudo isso, mas, no fim, a vida vai te deixar preparado para as próximas paixões. Porque, sim, sempre tem novos amores platônicos.

8 de agosto de 2018

Falando sobre Marketing Digital: O que faz um social media?

agosto 08, 2018 0 Comentários
O meu primeiro trabalho foi conferindo notas no departamento de faturamento da empresa de uns parentes - e acho que durei só 3 dias no trampo, pois: so boring. Depois disso, embarquei no mundo da comunicação sendo redator/repórter de um site de notícias. Por falta de pagamento, acabei desistindo do sonho de ser jornalista.

Voltei a trabalhar na empresa de parentes por um tempo, até que fui chamado pra trampar numa agência de publicidade. Eu sempre me achei criativo e manjava um pouco de rede social, então, com muita falta de vergonha na cara aceitei o emprego. #esperto

Foi na agência de publicidade que descobri um mundo novo, no qual eu poderia ganhar dinheiro pra ficar na frente do computador e navegando nas redes sociais. Sim, estou me referindo a trabalhar como Social Media!

Pra quem não sabe, o Social Media é o profissional responsável por administrar as redes sociais/site de empresa/artista/órgãos, etc.  Mas não é somente escrever uma legendinha com emojis e clicar em “publicar”. Os bons realmente fazem um trabalho minucioso pra criar conteúdo autêntico, interagir com os seguidores e afins.

Vamos exemplificar:

  • Talvez você já deve ter ouvido por aí alguém dizer que não foi tal famoso que respondeu ciclano, e sim a assessoria. Talvez, realmente, tenha um assessor por trás, mas também pode ser um social media (a pessoa contratada pra fazer essa interação – o que não quer dizer que o tal artista não pode apenas ter tirado um tempo pra responder os seguidores).


Atualmente, estou trabalhando (novamente) no departamento de marketing da firma de uns parentes, além dos freela, claro.  Fui contrato pra cuidar das redes sociais e, nossa!, bobo é quem pensa que só fico postando fotos e curtindo preguiça. Como se trata de um grupo de supermercados muito influente no Estado, acabo ficando o dia inteiro respondendo comentários, mensagens no privado, repassado recados aos setores aos quais os clientes desejam informações online e por aí vai.



Em termos mais técnicos, um Social Media realiza:

  • criação de briefings (“resuminho” sobre como quer tal banner/vídeo/gif/etc.);

  • atendimento 2.0 (mensagens no privado, e-mails e afins);

  • interação;

  • monitoramento de métricas (análise do desempenho das postagens, número de curtidas e afins);

  • impulsionamento de postagens (posts patrocinados);


Se você se acha criativo e comunicativo, talvez ser Social Media seja um bom caminho. O salário tá girando em torno de R$ 1.800,00 e você não precisa estar dentro de um escritório (rola home office, trampar pelo celular quando estiver na rua...). Outra coisa: o mercado de trabalho não exige formação superior, basta apenas ter um bom conhecimento de português, publicidade e dominar as principais redes sociais. Recomendo um curso técnico de Produção Publicitária... Vai ajudar bastante a conhecer os termos usados no mercado publicitário.
Qualquer dúvida, comente e eu responderei. Sinta-se à vontade pra falar comigo lá no Twitter também. ;)

7 de agosto de 2018

Pautas para o BEDA

agosto 07, 2018 1 Comentários
Postar diariamente no blog é uma tarefa difícil, pois o meu tempo não me permite devido a enorme demanda no trampo. Trabalhar com internet é bom, mas nem sempre encontro motivação pra lidar com coisas pessoais. Bate uma preguiça! #prontofalei 

Dessa vez, resolvi participar do BEDA (Blog Every Day August/April) e postar diariamente aqui até 31/08. Troquei o layout pra me sentir mais à vontade e tals. Por enquanto tem dado tudo certo e não tô pirando pra produzir os posts. Tá sendo bem legal tirar um tempinho todo dia pra escrever pra cá! 😍

Sendo bem sincero, o problema maior foi pensar nas pautas. São 31 dias escrevendo, sem falhar. É um compromisso que assumi comigo e com as (poucas) pessoas que me leem. Não posso vacilar!



Organização
Para me organizar, peguei o meu caderninho de anotações e enumerei de 1 a 31. Na frente de cada número fui anotado os títulos dos posts, pois, sim, sou o tipo de pessoa que sempre pensa primeiro no título pra depois escrever o texto/post. #loucasempre

Não pensei em nenhuma pauta absurda, como falar de vinho, agricultura, etc. A ideia principal é escrever diariamente sobre assuntos que eu gosto de compartilhar no blog: dicas, bla bla bla, coisas pessoais... O meu tempo é bem escasso, logo não poderia perdê-lo ao pesquisar sobre coisas às quais não domino, tampouco tenho interesse.

Ao meu ver, o BEDA é uma forma de eu relembrar os tempos da blogosfera no estilo “meu querido diário” e conhecer novos blogs. 😉



SEO
Pra quem gosta de SEO (Search Engine Optimization - Otimização para mecanismos de busca), o BEDA também é uma ótima oportunidade pra melhorar o posicionamento do blog nos sites de buscas, tais como Google e Yahoo. Especialistas em marketing digital afirmam que quando você publica posts frequentemente no blog e nas redes sociais, melhor fica o seu posicionamento. Coisa dos algoritmos, sabe?! 👍
Então, se você anda desanimado com o seu contador de visitas ou com as poucas postagens do seu blog, taí uma oportunidade bacana pra você tirar a poeira do seu cantinho. O BEDA vai te proporcionar uma experiência maravilhosa, e não digo isso da boca pra fora. Estou realmente amando os resultados obtidos, seja de visualizações de páginas ou em satisfação pessoal ao liberar os posts. 😘

6 de agosto de 2018

24 metas aleatórias

agosto 06, 2018 1 Comentários
Sou virginiano do tipo que adora lista. No trabalho, na faculdade, na mente... Em todo canto eu tô fazendo listinhas! 💞 Me sinto mais organizado quando tenho o meu cronograma feito, sabe?!

Como dia 31 de agosto completarei 24 anos, não deixaria de fazer uma wishlist, claro. Em breve postarei aqui o que quero ganhar (querer não é poder, eu sei). Hoje fiz só uma listinha de metas aleatórias.

Preparados? Lá vai! 😉

1 – Emagrecer 10 kgs;

2 – Terminar todas as temporadas de Glee e 2 Broke Girls;

3 – Voltar pra academia;

4 – Adotar um cachorro;

5 – Passar um fds em Palmas;

6 – Organizar um livro com a data de aniversário da família;

7 – Fazer o cadastro na biblioteca municipal;

8 – Revelar fotos;

9 – Colocar uma prateleira no meu quarto;

10 – Acordar cedo pra meditar enquanto o sol nasce;

11 – Fazer aula de dança;

12 – Caminhar diariamente 5 km;

13 – Começar a dieta repassada pelo personal;

14 – Juntar dinheiro num cofre;

15 – Faxinar meu quarto toda semana;

16 – Organizar minhas playlists do Spotify/Deezer/iTunes;

17 – Aprender a tocar uma nova música no violão;

18 – Se dedicar nas aulas de inglês;

19 – Abrir uma poupança na Caixa Econômica Federal;

20 – Voltar a escrever num diário;

21 – Aprender a fazer omelete temperada;

22 – Pintar a casa da minha avó;

23 – Presentear meus pais;

24 – Sair com alguém do Tinder.
Acho que é isso! Algumas coisas são super fúteis, mas futilidades fazem parte da nossa vida, não é mesmo? 😜

5 de agosto de 2018

Coisas para fazer num fim de semana ~tedioso~

agosto 05, 2018 1 Comentários
Para muitos o fim de semana é sinônimo de diversão, festa, farra, viagens, praia... Já pra outros, sábado e domingo são os dias mais tediosos da semana. Eu compreendo ambas as partes, pois nem sempre tô no pique pra sair, querendo apenas hibernar na cama. ;)

O chato é quando a gente tá com preguiça de sair, mas não sabe o que fazer pra não ficar deprê dentro de casa... Se você tá passando por isso, calma que eu vou te trazer um luz, belê?! 👍

Quando tô sem dinheiro (o que ocorre com bastante frequência!), acabo montando mentalmente programas mais “caseiros”, tipo caminhar no parque, ler, conversar com os amigos ou até mesmo sentar na frente do computador pra escrever e-mails bíblias. Então, lá vai uma listinha de outras coisas que você pode fazer pra sair do tédio durante o fim de semana.



1- Testar novos aplicativos
Quem adora ficar conectado no fds pode se divertir baixando vários aplicativos e testando todos eles. Pode ser jogos, editor de fotografias... Procure apps desconhecidos pra você ser o ~diferentão~ ao indica-los. ;)

2 – Aprender a tocar algum instrumento  
Você sempre quis tocar bateria, violão ou guitarra? Que tal comprar um instrumento usado e tentar tocá-lo? No youtube tem vários tutorias pra iniciantes que são super legais! 🎸🥁

3 – Tentar cozinhar um prato diferente
Cozinhar não é uma atividade fácil, mas qualquer um pode se jogar na cozinha e fazer pratos incríveis (ou não!). Ao invés de ficar deitado se sentindo a pior pessoa do mundo, aproveite o fds pra aprender novas receitas. Super indico o pão de queijo com linguiça. É muito gostoso! 😋


04 – Faxinar em casa
Não sei pra você, mas faxinar é terapia pra mim! Adoro mudar as coisas de lugar, limpar o chão, lavar louça... Depois que eu coloco um fone no ouvido tudo fica mais animado. Se anime aí também! :P

05 – Escreva
Uma ótima forma de eliminar aqueles sentimentos ruins é colocando tudo pra fora. Aproveite o seu tempo livre pra escrever mais sobre o que se passa aí dentro de ti. Caso não tenha paciência pra abrir o bloco de notas do computador, pode ser nas redes sociais mesmo. Escreva um texto e jogue tudo pra fora. Se esvazie!

06 – Medite em um parque
Se você deseja respirar um ar diferente, vá à um parque/praça e medite por, pelo menos, 10 minutos. Você vai se sentir tão mais leve!
E mesmo se nenhuma das dicas funcionar pra ti, não deixe a deprê acabar com o seu fim de semana. Vá à casa de um amigo, fique perto de pessoas positivas ou, sei lá, converse com Deus. Não deixe sentimentos ruins acabar com o seu dia! ;)

4 de agosto de 2018

Carta para um grande amor antigo

agosto 04, 2018 0 Comentários
Tentei pensar em coisas bonitinhas pra te falar nesta carta, mas, acontece que todo o meu encanto por ti acabou. Não vejo mais graça em te stalkear pra saber detalhes da tua vida. O interesse acabou faz tempo e eu estou bem com isso. De verdade.

Tu mudou tanto nos últimos anos... Não reconheço mais a pessoa por quem me apaixonei! Naquela época tu curtia rock, tinha um estilo “diferente” e um corte de cabelo único. Agora, você se tornou padrãozinho! Roupas comuns, conversas comuns, gostos comuns... Até sertanejo tu passou a ouvir!

Não tenho raiva de ti por me iludir, viu?! Apenas aprendi a parar de te enaltecer. Eu te colocava num pedestal, pensando que tu era o único cara que existia nessa cidadezinha. Que erro! Assim como você, em todo canto eu posso encontrar homens cafajestes, que não se importam com os sentimentos alheios. Você não foi único que passou por mim!

Por diversas vezes me senti um lixo ao me olhar no espelho e ver que não era o suficiente pra ti. “Como ele vai olhar pra isso e querer um relacionamento sério?”, eu pensava toda noite. Não existia autoestima perto de ti. Não havia amor próprio. Eu me sentia como um aviso de copo descartável: “após uso, favor jogar o lixo no cesto”.

Aquelas mensagens que peguei no teu celular foram como um soco no meu estômago. Eu chorei tanto. Meu Deus! Como doeu ser usado por ti... Eu fiquei contra amigos e família pra ficar contigo. Eu menti pra estar contigo! Todos sabiam que eu iria sair magoado e, mesmo assim, lá estava eu sorrindo ao teu lado.

Eu te dei o controle da minha vida e o do meu coração!

Demorou um tempo pra eu me recuperar... Hoje estou 100% bem! Tive a certeza de que já não sentia nada quando te procurei pra conversar. Aparentemente, você continua o mesmo idiota. O idiota pelo qual fiquei perdidamente apaixonado. Mas, né, é a vida...

Você foi o meu grande amor. Hoje não mais. Te desejo sorte, sucesso e que continue longe. Tua presença é tóxica demais pra mim!

3 de agosto de 2018

Resenha: “Quinze dias”, de Vitor Martins

agosto 03, 2018 1 Comentários
Não lembro como descobri a existência de “Quinze dias”, mas de uma coisa tenho certeza: esse foi o livro que mais me empolgou na hora de ler. Desde “Minha vida fora de Série 4” que eu não me deparava com uma leitura tão gostosa, que fluiu facilmente... 💟

“Quinze dias” é aquele livro que não conta uma história qualquer, ele conta a MINHA história. Sério. Nas pouco mais de 200 páginas, me vi completamente descrito em cada capítulo. O drama vivido por Felipe é o mesmo que eu enfrento diariamente: a autoaceitação; se olhar no espelho e estar “satisfeito” com a imagem, etc.

Mais do que um livro que trata sobre um gordinho que se apaixona por um vizinho, Vitor Martins toca de forma cute em um tema bastante tenso. Nem todo mundo aceita facilmente sua orientação sexual, seu corpo... Por isso, “Quinze Dias” é um livro essencial àqueles que estão na luta por uma vida melhor.



Um ponto que me chamou bastante atenção foi as terapias às quais o Felipe frequentava. Nunca fui a um psicólogo, logo não sei como funciona uma sessão. Porém, achei muito fofo o modo como a profissional lidou com o caso. Ela dava desafios para o Lipe cumprir durante a semana e, assim, ele adquiria mais coragem pra conversar com o Caio (o vizinho gato!), enfrentar os amigos que praticavam bullying na escola e até mesmo a se sentir mais à vontade ao conversar com sua própria mãe. Muito lindo! 😍

O livro é dividido por dia/capítulo. São 15 no total, obviamente. A história se passa muito rápido, mas tudo é bem explicado e eu não encontrei nenhum furo. Os fatos acontecem e fazem sentido, sabe?

Provavelmente eu irei reler “Quinze dias” quando bater a bad por aqui, porque, nossa, me senti tão leve enquanto me envolvia com a história. Emprestei o livro pra minha prima e, assim como eu, ela “devorou” rapidão e amou. E olha que ela é hétero e nem tem problemas de aceitação. Ou seja: a história de Vitor Dias é a especial a todos que procuram uma leitura fofinha, mas que aborda temas do nosso cotidiano. ;)


Sinopse: “Felipe está esperando o início das férias de julho, pois finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Mas as coisas fogem um pouquinho do controle quando sua mãe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele não voltam de uma viagem.

Felipe entra em desespero porque: a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho.”

Páginas: 208

Editora: Globo Alt

Ano: 2017

Gênero: Ficção infatojuvenil

2 de agosto de 2018

Analisando looks: Rick Negreiros, blogueiro e estudante de Publicidade

agosto 02, 2018 2 Comentários
Moda não é bem uma coisa que eu curto muito pesquisar, tampouco conversar sobre. Mas gosto bastante de ficar curiando os feeds,  no Instagram, de quem se veste bem: e o Rick Negreiros é uma dessas pessoas. 💞

Sempre com um carão, make bem feita e roupas ousadíssimas, o Rick arrasa nas fotos. Graças a Deus ele não é só um rostinho bonito. Se você parar pra assistir aos vídeos no Youtube, vai ver que ele tem muito o que falar e compartilhar sobre a quebra de padrões de beleza e empoderamento.



Aos desinformados, o Rick tem apenas 20 aninhos, é blogueiro, estudante de Publicidade e  mora no Recife. Em seu blog, ele diz que é “apaixonado pelo empoderamento que o mundo da beleza proporciona e é amante da ousadia fashion”. Então tá, né?! ;)

Dentre os diversos looks que o Rick posta no Instagram, eu amo aqueles em que ele usa roupas mais “femininas”. A combinação fica tão incrível que até esqueço que é um menino que tá usando a peça. Isso é muito legal! Às vezes lembro do estilo andrógeno, mas é melhor não rotular, porque nem ele mesmo diz que é A ou B. #paz

Também amo a coloração do cabelo do Rick! Ele já usou tantas cores que eu nem lembro de qual que realmente me impactou mais. Tudo começou quando ele deixou o cabelo crescer... Achei os cachinhos tão fofo! Do nada veio um cabelo colorido e desde então não parou as mudanças constantes. E que ótimo!



Sinceramente, não teria a mesma coragem do Rick ao sair na rua vestindo o que eu realmente gosto. Sei lá... Não suportaria ver gente sorrindo da minha cara, mesmo eu estando numa roupa linda. Fico feliz por ter pessoas como ele, enfrentando de cara o preconceito e pensamentos retrógrados.

Se você quiser acompanhar na internet uma pessoa com conteúdo bem feito, o Rick taí de braços abertos pra te receber. Ele fala um pouco sobre tudo: moda, beleza, comportamento, dia a dia e tals. Super indico! ;)

Na internet, tu encontra o Rick no:

💗 Blog

💗 Instagram

💗 Youtube

1 de agosto de 2018

Revendo seriados antigos

agosto 01, 2018 2 Comentários
Quer me ver com um sorrisinho de lado e empolgado pra conversar? Fale comigo sobre seriados! Simplesmente sou apaixonado por novas histórias e amo conhecer personagens que me despertam variados sentimentos, tais como amor, ódio, decepção e afins.  😍

Perdi a conta das séries que acompanho e quantas já assisti! A cada dia (sério!) começo a ver um seriado diferente, ficando sem tempo pra maratonar e suspirar de amor pelos meus casais preferidos, além dos crushes, claro. O trabalho é culpado por me deixar bastante ansioso pra chegar em casa e ligar o computador pra assistir às séries baixadas...

Nos últimos dias me bateu uma nostalgia do ensino médio... Resolvi ver alguns seriados que eu era viciado pra relembrar daquela época. Como tranquei o último período na faculdade (longa história...), vou aproveitar esse tempo pra ocupar minha mente com boas lembranças até retornar e, finalmente, colar grau. #oremos 



Glee

Recentemente comecei a rever “Glee”. Me identifiquei tanto com os dramas de cada personagem... Não conclui todas as temporadas, pois a perda do Cory Monteith foi pesada pra mim. Resolvi dar um tempo e, só após 5 anos lidando com a saudade, decidi rever as temporadas.

“Glee” surgiu na minha vida num momento bem delicado, lá em 2012. Naquela época, não sabia qual caminho seguir e curso superior escolher. Sempre sonhei com Jornalismo, mas aqui na cidade não havia nenhum curso que eu curtia (tipo Psicologia, Comunicação Social, Publicidade e afins). Optei por ficar um ano sem estudar, até que Direito apareceu meio que por imposição mental. Nesse meio-tempo, o seriado meio que trouxe a mensagem de que ok seguir os nossos sonhos... e ok também adiar a concretização deles.

Não acompanho a carreira dos atores de “Glee” por falta de tempo, com exceção da Rachel/Lea Michele. Amo muito ela, as músicas, a voz... 💞



Sex and The City

Outro seriado que estou revendo é “Sex and The City”. Ok que a série não se passa em uma escola, mas a amizade da Carrie e suas friends é muito legal de acompanhar. Elas são muito fiéis ao que pensam, além do estilo de vida ser bem próximo do meu e minhas bffs.

De certa forma, me pareço um pouco com a Carrie, principalmente quando o assunto é relacionamento. É muito difícil eu encontrar uma pessoa interessante ou acertar em cheio na escolha de alguém que não vai me magoar com o fim do relacionamento. Infelizmente, por aqui só restan mágoas, dores e ressentimento.

Outro ponto que me faz amar “Sex and The City” é o fato da Carrie ter uma coluna num jornal e escrever sempre sobre relacionamentos. Na maioria das vezes, nem todos os textos são com base nas experiências em que ela viveu, e sim na vida de suas amigas. Teve uma época em que eu estava passando por essa mesma fase... Já que nada de interessante acontecia comigo, me inspirava nas aventuras de pessoas próximas a mim pra produzir alguns posts. E geralmente eles eram os melhores! Já diziam por aí que pimenta no traseiro alheio é refresco, né?! :P
Então, é isso! Tô adorando rever alguns seriados e tirar um tempinho (toda noite) só pra mim, meus personagens favoritos e esquecer dos milhões de problemas. Tá funcionando como terapia! 😘