Follow Us @soratemplates

28 de janeiro de 2018

Afraid

janeiro 28, 2018 2 Comentários
medo

Há dias venho querendo escrever algo mais “pessoal”. Palavras sobre mim e o meu dia a dia, sabe? Contudo, acredito que eu esteja passando por um bloqueio criativo (e ficando com muito medo!), onde a inspiração resolveu desaparecer por uns tempos. Quando ela voltará? Esse é o grande problema: não tenho a mínima ideia sobre quando voltarei a estar motivado pra fazer o que antes achava superinteressante.

Atualizar blog já não é mais tão legal quanto antes; postar fotinhas no Instagram nem me passa pela mente; ficar online nas redes sociais é algo que virou “obrigação”, só pra dizer a todos que ainda tô presente no mundo virtual. E assim os dias têm passado...

O ano começou, estamos finalizando o primeiro mês de 2018 e eu ainda continuo com trocentas dúvidas sobre o que fazer e qual rumo seguir. Resumindo: tá tudo muito louco e eu perdido! De vez em quando algumas pessoas conseguem me mostrar uma direção, mas o medo ressurge.

Medo eu sempre tive, é verdade. Anseios dos mais bobos à coisas bem tensas. Diariamente sofro ao enfrenta-los. Sim, ao invés de deixar os medos de lado, prefiro encarar, saber o motivo deles aparecerem, etc. Só que, às vezes, a gente fraqueja e cai.  E eu caio (quase) todos os dias. Mas o levantar é o melhor, pois a esperança é renovada e a coragem revigorada.

Não tenho a mínima noção de como organizar a bagunça da minha vida, porém... A fé que tenho em Deus é maior do que o medo. Por isso, sigo de cabeça erguida. Um passo de cada vez, controlando a mente na medida do possível e amando. Mesmo diante das dificuldades, tento manter os sentimentos de gratidão e amor comigo. Grato por tudo e amando até mesmo aquilo que me faz mal.

Sendo sincero, acho que ser adulto é, basicamente, dar um passo de cada vez e ir descobrindo as aventuras que o universo guardou pra gente. E eu tô nessa luta diária, tentando encontrar o sentido de tudo. 


21 de janeiro de 2018

Um desabafo sobre "Minha vida fora de série 4"

janeiro 21, 2018 2 Comentários
Falar sobre a Paula Pimenta me deixa um pouco mais ansioso do que o normal. Pudera, né? Os livros dessa mulher me acompanham desde a época em que entrei na faculdade, lá em 2013. Até hoje, quando descubro que haverá lançamento de mais uma obra, entro em desespero. Foi o que aconteceu com "Minha vida fora de série 4"! 💗

Minha vida fora de série 4, de Paula Pimenta

Em 31 de agosto de 2017 foi lançado “Minha vida fora de série 4”, mesmo dia e mês do meu aniversário. Com certeza não haveria presente melhor pra eu receber. Infelizmente, só fui lê-lo agora, em janeiro. E foi a melhor decisão que fiz, pois comecei a minha maratona literária com o pé direito. 😍

Na 4º temporada da saga “Minha vida fora de série”, temos pouco mais de 400 páginas contando o estado de Rodrigo após terminar o namô com a Priscila-chatiane. Sim, o livro é TODO narrado pelo Rod. Sendo sincero: AMEI! E não, não gosto do Priscila. Sempre achei a personagem muito imatura, inconsequente e mimada. #paz

Novos personagens aparecem, romances, aventuras e viagens. Esta temporada está cheia de coisas fofas e sentimentalismo. Finalmente a gente pode entender a mente do Rodrigo e torcer por um recomeço bacana. É daí que surge Julie, Antonella, os caras de uma banda, Mrs. Becker e afins. Peguei um amor por cada personagem gringo que apareceu e acabei achando os brasileiros um chatões. 👎

Minha vida fora de série 4, de Paula Pimenta

“Minha vida fora de série 4” continua tendo a mesma diagramação dos demais livros: conversas por e-mail, torpedos, tweets, etc. A novidade é que a Paula Pimenta inseriu também trechos em inglês (com tradução no rodapé, claro!), o que trouxe mais realismo à história. Ah!, as citações de frases de seriados a cada capítulo continua... Elas meio que dão spoiler do que acontecerá, mas, né, muitas vezes a gente acaba se enganando. (Eu acabei sofrendo antecipadamente, pensando que algo ruim ia acontecer, mas, era só quase um pedido de casamento... Ooops! 😛)

Sou suspeito para falar sobre os livros da Paula, contudo, posso dizer com todo o meu coração que “Minha vida fora de série 4” é a obra mais madura, completa e linda já lançada pela autora. Supera demais “Fazendo meu filme” e os demais. É um comeback que te faz chorar, sorrir, suspirar, ficar com raiva... Uma mistura de todos os sentimentos possíveis!

Se você ainda não conhece nada da Paula Pimenta, saiba desde já que está perdendo um ótimo trabalho. De todos os escritores brasileiros que já li até hoje, somente ela me faz suspirar com suas histórias. Como o prefácio do livro diz:

“Não sei se é pela simpatia, por viver no mundo da lua ou por acreditar tão avidamente no ‘felizes para sempre’ que eu chego a pensar que a Paula nem é gente de verdade, e sim uma personagem de contos de fadas que saiu por aí, fugida, querendo de qualquer jeito contar novas histórias”.


 

Editora: Gutenberb / Páginas: 448 / Gênero: Literatura infanto-juvenil


 💗 Fotos: Letras na gaveta

14 de janeiro de 2018

“O estrangeiro”: novo filme estrelado por Jackie Chan

janeiro 14, 2018 0 Comentários
Fazia tempo que eu não ficava tão animado pra assistir à um filme estrelado pelo Jackie Chan como agora. Nem lembro qual o último filme dele que vi... Provavelmente deve ser um bem antigo! Confesso que dessa vez super me empolguei com o lançamento de “O estrangeiro” (“The Foreigner”, em inglês). Aqui no Brasil, a produção chegou nos cinemas no dia 11 de janeiro, e é claro que eu fui ver! 😍



“O estrangeiro” conta a história de Quan (Jackie Chan), proprietário de um restaurante chinês em Londres, que vê sua única filha ser morta durante um ataque terrorista cometido pelo Exército Republicano Irlandês. Antes da partida de sua descendente, o homem já havia perdido outra filha durante um bombardeio. Ou seja: o fato recente foi um baque maior do que esperado. ☹

Com muita tristeza e sangue nos olhos, Quan procura o ministro da Inglaterra, Liam Hennessy (Pierce Brosnan); ele foi um um antigo membro desse Exército Republicano da Irlanda, então, sabe de muitas coisas dos bastidores. Mesmo sem obter resposta sobre os autores do atentado, o homem decide buscar vingança com as suas próprias mãos. É aí que a bagaceira começa. 👊



O ministro Liam não quer fornecer informações, pois tem muita coisa oculta por ele e, se reveladas, podem custar a sua vida e até mesmo o cargo no Governo. Quan liga pra isso? Nopes! Ele joga bomba em trocentos lugares, cria muitas armadilhas pros policiais e faz a coisa acontecer.

Enquanto Liam juntamente com a polícia tentam desvendar o atentado, Quan é mais rápido do que todos e sempre dá uma luz a eles. Foi bem legal vê o Jackie Chan se mostrar antenado às tecnologias do século 21... No filme, é possível vermos ele usando iPhone, computador, etc. Mesmo com 63 anos de idade, o homem está por dentro da atualidade. 😍



Em “O estrangeiro”, Jackie Chan mostra que ainda tem muito pique pra outros filmes, não é à toa que já temos datas pra lançamentos em 2019, e olha que o ano mal acabou. #todospiram

Se você curte suspense na medida certa, ação e muita luta, “O estrangeiro" é o filme certo. Se não for fã do trabalho do Jackie Chan, dê uma chance agora, pois o resultado desta produção é excelente. Pudera, né? O diretor é apenas o Martin Campbell, que tem no currículo trocentas direções, tais como  “A lenda do Zorro” e “Lanterna verde”.

13 de janeiro de 2018

“Viva: a vida é uma festa” vai te fazer chorar. E muito.

janeiro 13, 2018 0 Comentários
“viva: a vida é uma festa” nos mostra com sensibilidade a cultura mexicana.

No último dia 04 de janeiro estreou no Brasil a nova produção da Disney/Pixar, “Viva: a vida é uma festa”. A animação contém 1h45 de duração e nos emociona em diversos momentos, principalmente por mostrar a fragilidade do ser humano.

Se você não conhece como o celebrado o Dia dos Mortos no México, o novo filme da Disney irá explicar em detalhes a cultura dos mexicanos. Vale ressaltar que a data é diferente da nossa: no país da das comidas apimentadas, a festa é comemorada do dia 31 de outubro a 02 de novembro. Sim, você não leu errado: por lá rola festejo mesmo. ;)

“Viva: A vida é uma festa” nos mostra com sensibilidade a cultura mexicana. Naquele país, eles acreditam que, no dia dos finados, os mortos voltam à terra para visitar seus parentes... Na animação, acompanhamos a história de Miguel, um garotinho que gostava muito de cantar, mas toda a sua família é contra, pois eles não apreciavam música. E isso tem relação com o seu passado... Na verdade, com pessoas da sua família que já morreram.

“viva: a vida é uma festa” nos mostra com sensibilidade a cultura mexicana.

Miguel era fã de Ernesto De La cruz, um cantor que era muito famoso na sua terra. Ele chegou a pensar que o artista era seu tataravó... Para participar de um festival de música, o pequeno foi o seu túmulo para roubar um violão, daí a mágica aconteceu. Inesperadamente, o garotinho foi teletransportado para outra dimensão, podendo conversar com as pessoas que já morreram.

Muitas aventuras aconteceram com Miguel e os  seus parentes mortos... Teve barraco, descobertas, sonhos sendo realizados e decepções. Na outra dimensão, o garoto pode ver como os mortos voltavam à terra e apreciavam os festejos em suas homenagens. O pequeno pode também entender o porquê de a sua família ser contra a música. O motivo é bem chocante e cheio de reviravoltas, já adianto. ;)

Apesar de ser uma animação da Disney/Pixar voltada pro público infantil, é preciso que os pais tenham cuidado. Muitas crianças podem acabar criando várias perguntas sobre a existência humana. E isso não é ruim. Melhor mesmo esclarecer desde cedo a origem e desfecho de tudo.

Ao meu ver, “Viva: A vida é uma festa” é uma produção completa e cheia de sentimentalismo. Realmente mereceu o prêmio de melhor animação no último “Globo de Ouro”. Se você puder, tire um tempinho pra conhecer mais sobre a cultura mexicana e o novo filme da Disney/Pixar. Vale muito à pena, apesar de chorarmos a cada música que começa a tocar! 😭

9 de janeiro de 2018

Analisando looks: Jerffeson Rodrigues, estudante de arquitetura

janeiro 09, 2018 1 Comentários
Jerffeson Rodrigues, estudante de arquitetura e urbanismo

Se tem uma coisa que adoro, são pessoas criativas que não têm medo de inovar, criar, se reinventar e compartilhar um pouco da sua vida. Este é o caso do Jerffeson Rodrigues, estudante de arquitetura tocantinense. Atualmente ele está morando lá em Campinas (SP), mas vira e mexe a gente encontra aqui no Norte. E que bom! 💞

Conheço o Jerffeson desde 2010, quando ele foi estudar na minha escola, na época do colegial. Amigas em comum nos apresentaram e pronto: a amizade começou. Mais virtual do que pessoal, vale ressaltar. Foram muitos tweets trocados e tals. Ele já teve até um blog em que eu colaborava com textos (naquela época eles eram beeeem ruins!). 😛

O Jerffeson está cursando arquitetura, é verdade, mas ele sempre teve um pé na moda, ao meu ver. Os looks compartilhados na internet são incríveis, bem criativos e as fotos com uma qualidade perfeita. Eu adoro quando tem novas fotinhos no Instagram. 💚💛

Jerffeson Rodrigues, estudante de arquitetura e urbanismo

Como definir o estilo do Jerfferson? Diria que ele é um gótico suave! 😍 Se a gente for reparar bem, cada composição tem alguma peça preta pelo meio e as edições das fotos também tem um ar super dark. Mesmo quem não curte essa vibe, com certeza deve ficar com uma invejinha. Afinal, ter bom gosto não é pra todos, néam?

Outra coisa que adoro são os chinelinhos slide que de vez em quando aparece lá no Instagram do Jefferson. Acho um charme, apesar de muita gente odiá-los. Ainda não encontrei um que caiba no meu pezinho (número 44, migs!), mas vamos continuar na fé e à procura. 🙏

E as poses intimidadoras? Amooo! O Jerffeson arrasa nelas! Confesso que sou bem ruizinho pra fazer looks, tanto é que nem faço. Acho que a pessoa tem de ser bem desinibida, segura de si mesmo. O Jerffeson é assim: solto, leve, tranquilo e feliz nas fotos. 💕

Jerffeson Rodrigues, estudante de arquitetura e urbanismo

Em resumo, a gente encontra um pouco de tudo nas produções do Jerffeson: looks blogueirinho, gótico, Tumblr, rocker, alterativo e afins. Ele é um camaleão da moda, não se prendendo somente a um estilo, e sim à roupas que valorizem sua aparência e humor. Adoro essa transparência que a pessoa transmite ao se vestir!

Não sei se as roupas do Jerffeson são de marcas, caras e tals. Sinceramente, quem se importa com isso em pleno século 21? Nessa crise, bom mesmo é economizar, pechinchar e guardar dinheirinhos. Ninguém sabe quando a casa vai cair, néam? ;)

Na internet, tu encontra o Jerffeson no:
💗 Instagram

💗 Facebook

8 de janeiro de 2018

Resenha: “Enquanto o amor não vem”

janeiro 08, 2018 1 Comentários
Livro "Enquanto o amor não vem", de Iyanla Vanzant

Sem dúvida alguma, uma das coisas que as pessoas mais procuram nesta vida é um amor verdadeiro e ter a autoestima lá no alto, não se decepcionando com qualquer coisinha que aparecer no caminho. Ser assim não é impossível. Não para a escritora e coach Iyanla Vanzant, que escreveu o livro “Enquanto o amor não vem”.

Em pouco mais de 100 páginas, temos trocentas dicas de como se amar mais, procurar um relacionamento e encarar os diversos problemas da vida. “Enquanto o amor não vem” é um livro de cabeceira, que não precisa ser lido rapidamente, pois é bom ir aos poucos para absorver melhor a mensagem de cada capítulo.

Para ensinar como nos amar primeiro para depois adquirir o amor incondicional (pelo próximo), Iyanla estruturou o livro da seguinte forma:
Vivemos em uma casa cheia de andares, onde temos o porão, 1º andar, 2º e 3º. Quem não se ama de verdade, está no porão e é preciso fazer umas coisinhas para subir para o 1º andar. O que são essas coisas? Se permitindo mais, se julgando na medida certa e não jogando sobre os outros a culpa por algo que aconteceu na nossa vida.

É óbvio que não será fácil ter a autoestima lá no alto e o trabalho não será de uma hora para outra. Se fosse assim, se chamaria mágica, e não exercícios para melhorar a vida e deixar tudo mais tranquilo. Na verdade, serão necessárias muita força de vontade, dedicação, foco e, acima de tudo, um pouquinho de amor próprio.

Amor próprio, sim! 💕

Livro "Enquanto o amor não vem", de Iyanla Vanzant

Ninguém vai aparecer no nosso caminho e nos valorizar se, antes de qualquer coisas, não nos valorizamos. Funciona assim: primeiro eu me amo, segundo eu me amo e em terceiro eu me pra caralho e não preciso de ninguém para sobreviver. É opcional fazer a vida ser incrível com outra pessoa. Estar sozinho é quando você não curte a própria companhia.

Outra coisa que fica clara no livro é a necessidade da gente se apegar ao Divino/Deus durante todo o processo de aceitação e desenvolvimento da autoestima. Temos que ter fé de que o universo poderá nos ajudar nessa batalha. Quando a gente não acredita em nada, tudo fica mais difícil. E eu super acredito nisso!

Uma coisa interessante que tem no livro “Enquanto o amor não vem” são as listinhas. Em vários capítulos a gente se depara com dicas enumeradas que são fáceis de lembrar. Algumas que me recordo são:

1 - Ame a si mesmo, não importa o que te aconteça;

2 - Sinta e reconheça o que está sentindo. Se afastar para evitar a dor é pior;

3 - Expresse o que está sentindo verbalmente ou por escrito;

4 - Esclareça para si mesmo o que quer, quando e onde;

5 - Não procure ou espere que qualquer pessoa faça parte da sua vida.


E sim, indico MUITO o livro “Enquanto o amor não vem”. Algumas coisas são clichês, mas isso não desmerece o trabalho da coach Iyanla. A gente aprende também com os clichês e, ó, muitas experiências compartilhadas foram frutos de muita luta da autora. Então, melhor sabermos desde já o que pode acontecer com a gente, caso não adquiramos o tal do amor próprio. ;)

5 de janeiro de 2018

Não, não tem na Netflix!

janeiro 05, 2018 2 Comentários
"Atualmente,

Se tem uma coisa que eu adoro, é conhecer novas séries e me aventurar em histórias criadas por alguém muito fodão. Mesmo quando a trama não é muito boa, sempre dou uma chance, pois, sei lá, tenho o costume de gostar das coisas que são odiadas pela maioria. #loucasempre

Quem não tem tv à cabo e assiste à vários seriados ao mesmo tempo sabe bem o quão “chato” é acompanhar os episódios, já que a gente tem de ficar procurando os arquivos pra baixar ou encontrar algum site confiável pra ver online. Realmente, é uma tarefa um tanto quanto complicada! 😕

Com a chegada dos serviços de streaming, tipo a Netflix e Spotify, muita gente largou esse mundo das ilegalidades e começou a desembolsar alguns centavos pra ter com facilidade as séries, filmes e músicas. A sensação de ter na palma da mão catálogos incríveis é muito boa. Sério.

Contudo, vale lembrar que os serviços de streaming são limitados. Deixa eu explicar: você não vai encontrar toda a discografia da Beyoncé no Spotify, assim como não terá atualizada a 8º temporada de “The Walking Dead” na Netflix. Daí a gente faz o quê? Espera trocentos anos até sugir nesses serviços (e se surgir!) ou vai pra internet baixar?

Tem gente que prefere o lado cômodo e espera, espera, espera e não conhece ótimas produções, porque está viciado em ter tudo ali "mastigado". Não critico, mas acho bobo quem só consome os trabalhos que estiverem na Netflix ou Spotify e acha isso chic. Passou o tempo em que era “luxo” ter esses serviços. Hoje qualquer um pode ter.

Ao meu ver, a pessoa que acompanha somente o que tem na Netflix está se alienando. Na internet (tipo... o Youtube!), tem gente disponibilizando materiais com uma qualidade igual ou melhor. Basta só ter paciência e procurar. O problema está nisso: falta coragem e força de vontade pra conhecer coisas novas. ;)

Aqui vão dicas de séries que não têm na Netflix, mas que merecem a sua atenção.



  • American Horror Story:


Quem acompanha “Stranger Things” deve adorar um suspense com um pouquinho de terror pelo meio, então, taí uma série que vai te deixar de cabelo em pé. Os episódios são super bem escritos e dirigidos, além de fisgar a nossa atenção em todas as temporadas. 😍

  • Playful Kiss:


Dorama mais fofo do mundo. Na Netflix até tem algumas produções coreanas, mas o resto da internet tem outras histórias ainda mais fofas. Vai por mim! Em breve falarei sobre "Playful Kiss" aqui. Aguardem! 💗

  • Eyewitness:


Se a Netflix tem no seu catálogo “Please Like Me” (série gay), o resto da internet tem disponível “Eyewitness”. Os personagens são bem mais interessantes do que o Josh, e olha que amo PLM. ;)

  • My Mad Fat Diary: 


É uma versão melhorada de “13 reasons why”. Trata sobre bullying, depressão e tals. Já falei sobre o seriado aqui no blog e sempre que posso saio indicando a todos.

E não, nenhuma dessas séries encontram-se disponíveis na Netflix, mas são maravilhosas e você não deveria se privar de vê-las só por esse detalhe. Sites comos o Séries With Love e Baixar Séries MP4 sempre disponibilizam ótimos conteúdos. Dá uma chance aê, migs! 😘

3 de janeiro de 2018

Inspira, respira e sorria

janeiro 03, 2018 0 Comentários
sorria, baby!!!

Para ler ouvindo "Smells Like Teen Spirit", do Nirvana. 


 

No fim de novembro, minhas amigas apresentaram o TCC delas e euzinho estava lá acompanhando os bastidores, dando aquele help do amor. :P (Só pra constar: deixei o meu trabalho pra este ano, pois não me sentia preparado pra enfrentar a banca no semestre passado.  Acho que foi a melhor decisão que fiz em 2017.)

Infelizmente, de novembro até agora, venho tendo crises de ansiedade constantemente. Ansioso eu sempre fui, mas a coisa piorou depois do TCC das miga. É que eu estava com muito medo delas não darem conta de apresentar, apesar de confiar muito na inteligência e força de vontade de cada uma. ☹

De lá pra cá, o medo se apossou da minha vida. Medo de tudo. Qualquer dorzinha que sinto já imagino diversos problemas. Preciso dizer que a insônia se fez presente por diversas noites? Às vezes, só conseguia dormir quando minha mãe ficava comigo! #tenso O roubo do meu celular, em dezembro, só piorou tudo. Foi a partir daí que comecei a tomar calmantes, que não fizera muito efeito.

O Natal e virada do ano foram ok, pois consegui me controlar. Contudo, os pensamentos negativos e insegurança voltaram com mais força agora. Se eu passar um minutinho sem fazer nada ou sozinho, bate uma baita crise. Nem os exercícios respiratórios tão resolvendo e eu já não sei o que fazer. Psicólogo não está nos meus planos, pois tretas na faculdade tão sugando os poucos centavinhos que me aparecem. 😢

Foda, viu?

Estou tentando ser otimista, pois quero que este sentimento me acompanhe durante o ano de 2018. Apesar das dificuldades, quero voltar a sorrir. Pras conquistas, dificuldades, medo. Desejo apenas ser o Adriel que fui em 2015 (esse da foto ali em cima!). Um menino tranquilo, que sonhava e se preparava pra mudar pra Porto Alegre, sem medo do desconhecido.

Sou consciente de que será difícil  sair dessa bad vibe, mas tenho fé em Deus e muita força. Assim como as minhas amigas conseguiram apresentar o TCC e tiraram notas maravilhosas (a Vanessa conseguiu um 10!!!), irei voltar a sorrir pra vida. Inspirar, respirar, não pirar e sorrir. 🙏


(Um adendo: Se você conhece alguém que sofre de ansiedade, não pense que é bobeira. O lance realmente é sério e pode afetar qualquer pessoa. Não é frescura de quem quer pagar de problemático na internet. 😉)

2 de janeiro de 2018

Analisando looks: Bruno Érnica, publicitário paulista

janeiro 02, 2018 0 Comentários
Bruno ernica publicitario

Bruno Érnica é publicitário, paulista, tem carinha de 15 anos, mas está perto é dos 30 e é muito moderno. Pode subir ao palco, meufí! #aloka 😛

Não lembro quando conheci o Bruno, mas, provavelmente, deve ter sido através do Twitter. Quando me refiro a “conhecer”, é só acompanhar as suas atualizações nas redes sociais, nada de conversa no pv ou algo do tipo. Meu sonho trabalhar ao lado dele e aprender mais sobre o mundo publicitário. 💙💛

Quando o Snapchat virou uma febre, lá em 2015, fiquei ainda mais “próximo" do Bruno, já que sempre rolava vídeos mostrando os bastidores da agência de publicidade que ele trabalhava, em São Paulo. Atualmente, o mesmo é diretor de redes sociais de uma firma lá em Brasília. Sente só aí o poder do pequeno-grande-cara, migs! ;)

bruno ernica publicitario paulista

Além do bom humor perceptível a cada vídeo, tweets, etc., o Bruno também é SUPER estiloso, do tipo que faz fotos IN-CRÍ-VEIS. Sério. O Instagram dele é um prato cheio pra quem busca inspiração de looks moderninhos, ousados, hippie, funny, cool e insira-aqui-qualquer-outra-palavra-que-signifique-lindo.

Gosto tanto do estilo do Bruno que criei uma coleção só pra deixar salvo e servir de inspiração quando eu for montar meus lookinhos de blogueirinha, mesmo não levando jeito algum pra esse segmento. :P

Às vezes, rola no Instagram do Bruno uns looks com a vibe urban street, sabe?! Bermuda meia perna, meias até o alto da canela acompanhado de algum sneaker DA-O-RA e t-shit com estampas ou frases engraçadas. Além de ser bonito pra ver, as combinações nos passam aquele sentimento de que não é preciso desembolsar tanto dinheiro pra ter em casa roupas descoladas e tals. #pobrempiram 😍

bruno bruno ernica style

No Instagram da Bruno você encontra um pouco de tudo e pra todos os gostos: look geek, social com uma pegada universitária, além das legendas que são sempre engraçadas. Vale muito à pena acompanhar! Aliás, além de publicitário, ele pode ser considerado escritor/blogueiro. No blog “Um sentimento por dia” tem cada texto lindo... Todos escritos por ele! 💕

Enfim... Fica aí a dica de uma pessoa comum, gente como a gente que vale a pena acompanhar na internet. Você irá se inspirar em looks diferentes, criativos e se divertir com o bom humor do Bruno. Vai por mim! ;)
Você pode segui-lo no:

💗 Instagram

💗 Twitter

1 de janeiro de 2018

Resoluções de ano novo, sim!

janeiro 01, 2018 1 Comentários

E cá estamos nós entrando em mais um novo ciclo, com aquele sentimento de dever cumprido e pronto pras aventuras de 2018. Pela primeira vez em muito tempo, dessa vez estou otimista. Com uma energia muito positiva e boa, btw. Não vou esperar muita coisa deste ano, vou é correr atrás pra realizar cada um dos meus objetivos. E fácil a gente já sabe que não será, então, melhor mesmo é juntar essa onda de alegria e disposição pra focar na concretização de cada meta. 👊


Siiim! Pra 2018, a palavra-chave será "realizar". Sonhos, metas, objetivos, planos, viagens, projetos… Tudo isso será realizado e colocado em prática. #oremos Como de praxe, vou enumerar algumas coisinhas que quero que aconteçam em 2018.


1 - Pegar firme na vida (quase) fitness: Se em 2017 eu provei pra mim que sou capaz de ir além dos meus limites, agora quero continuar na luta pra conquistar o corpo que sempre desejei. Já se passaram 23 anos de euzinho insatisfeito comigo mesmo. Chegou a hora de mudar essa realidade.


2 - Encontrar um trampo bacana: Podemos classificar 2017 como o ano da má sorte pra trabalho? Em fevereiro saí do meu trabalho numa agência de publicidade... De lá pra cá as coisas só caíram ladeira abaixo. Mas isso irá mudar. Ah, vai!


3 - Ser menos estressado e ignorante: Infelizmente, a minha família já tem no gene a ignorância. Somos aquele tipo de gente que não leva desaforo pra casa. Às vezes, ser assim não é legal e quero ser mais good vibes.


4 - Focar na faculdade: Em nome de Jesus, este é o meu último ano na faculdade. Por isso, tenho que pegar pesado nos estudos pra OAB e passar em todas as matérias. Não há mais tempo pra brincadeira!


5 - Juntar dinheiro pra viajar: Em 2017 eu não saí da minha cidade pra nada. A falta de dinheiro foi foda. Porém, neste novo ano vou juntar moedinhas e pagar alguma excursão pra conhecer esse Brasil. 😍


6 - Ser mais otimista: Sou o tipo de pessoa que é a primeira a se colocar pra baixo e desacreditar dos projetos. Mas isso irá mudar. Dando certo ou não, pretendo ser um exemplo de otimismo. Anota aí!


7 - Organizar um livro de crônicas: Chega de querer e não poder. Vou reunir meus escritos, sim, e tentar levar minhas (in)experiência à outras pessoas, nem que seja num e-book gratuito.


8 - Sair mais sozinho: Amo os meus amigos, mas acho que tenho de aprender a apreciar mais a minha própria companhia. Isso fará bem até pra eu deixar o medo e a timidez de lado. Vale qualquer coisa: ir à uma balada, cinema, viagem, etc.


9 - Se expor mais através de fotos e vídeos: Até posto muitas fotinhos e stories, mas sou muito inseguro. Em alguns momentos eu acabo deletando as publicações, porque tenho vergonha de mim mesmo. E não é que o meu conteúdo seja ruim, é só o medo de ser "julgado" por quem me assiste. Outra coisinha pra mudar com urgência!


10 -Dedicar mais tempo ao blog: Não quero profissionalizar o blog, porque ele sempre será apenas o meu cantinho na internet pra desabafos e compartilhar coisas interessantes com quem acessa ou cai de paraquedas. Na verdade, quero só postar semanalmente (3x no mínimo) e ter a mesma empolgação de antes, mesmo que eu não receba comentários ou muitas visitas. ✍




Enfim… Minhas resoluções são simples e fáceis de realizar, já que depende só de mim e do meu esforço. Nada muito útopico ou fora da realidade! Ah, feliz ano novo! Que a gente consiga alcançar nossas metas, ter muita saúde e disposição pra correr atrás do que tanto queremos. Vamo que vamo, miga! 💞