Follow Us @soratemplates

31 de maio de 2016

Quando não é pra dar certo

maio 31, 2016 49 Comentários

Sorte pro amor eu nunca tive, contudo, me entro em cada bocada... Às vezes eu acho que a vida é uma puta e eu sou o cara que a cerca. Sério. Nunca vi uma pessoa que é tão zoada pelo o universo como eu. Vou explicar melhor, mas já adianto: é sobre macho. #putasempre



Acontece que já fazem 4 anos que eu tento ficar com um carinha, mas nunca dá certo. Ambos se esforçam pra coisa acontecer, mas não rola; as disposições dos dois surgem nas horas erradas e, poxa, o sentimento continua existindo (pelo menos da minha parte).


Ao todo, já foram três tentativas de ficarmos juntos (ou rolar um mísero beijo, sabe?!). Na primeira vez, recusei porque sou muito vagabunda e estava cega por um cara-nojento-porco-cara-do-capeta. Na segunda tentativa, queria muito o crush, mas ele disse que éramos muito iguais e, por isso, nunca daríamos certos (???). Na terceira tentativa (agora), continuo querendo o cara, mesmo ele namorando.


Sabe o que vai acontecer? Na quarta tentativa, o carinha virá até mim e daí eu já estarei me apaixonando por outra pessoa. E a história vai se resumir nisso: eu e o crush tendo sentimento um pelo outro, mas querendo ficar juntos nas horas erradas.


Minhas amigas dizem pra eu aquietar a pepeka (que eu não tenho, mas, enfim...) e focar nesse rolo de anos. Elas até têm razão, porém, não sei se vale à pena eu me privar de oportunidades reais pra uma que só Deus sabe quando (e se) dará certo.




Se o crush estiver lendo esse post (que eu sei que sim!), saiba que o sentimento por aqui é de admiração, amizade e uma leve paixão. Eu entendo muito bem as suas prioridades no momento, creio também que não tô preparado pra algum lance contigo. Tu é todo maduro, esperto... Eu sou apenas um crianção. (Acredite, sou mais bobo do que você e já entendi que nem tudo nessa vida tem de dar certo pra ser especial.)


Seja feliz. Com ou sem mim. 


29 de maio de 2016

Tá errado: a vítima não é a culpada!

maio 29, 2016 31 Comentários
Por trabalhar com comunicação e estar sempre na internet, eu passo boa parte do meu tempo lendo notícias e acompanhando debates virtuais, pois é daí que tiro pautas pro trampo e até mesmo temas de postagens pro meu blog. No entanto, muita coisa vem mudando nos últimos tempos. Pra pior, infelizmente.

Concorda comigo que a internet é um espaço bacana pra compartilhamos nossa opinião, levantarmos bandeiras e iniciarmos debates enriquecedores? Pois é! Mas temos também o lado ruim: muita gente se acha a dona do universo e, por isso, se sente no direito de publicar asneiras cheias de preconceito, ódio (além dos erros grotescos de português, porque sim: eles sempre estão presentes nesses posts!).



Recentemente, as pessoas, nas redes sociais, estão batendo fortemente na tecla do combate à violência contra a mulher (vide estupro), e eu acho isso maravilhoso. Se temos a oportunidade de chamar a atenção pra algo importante, por que não focarmos nesse tema e sairmos em defesa das mulheres?

Contudo, os machistas, loucões e polêmicos (pra não dizer lixo humano!) já começaram a espalhafatar a máxima de que concordam com o estupro quando:

1- é cometido com alguma lésbica, que é ela pra ser ‘mulher’ de verdade;

2- quando mais de 30 homens fazem sexo com uma mulher, mesmo ela sendo menor de idade e ter ‘consentido’ com o ato.

É horrível a forma como as pessoas tentam encontrar explicação pra atitudes inexplicáveis. É doloroso ver os cidadãos sendo juízes dos outros, quando não estão preparados pra isso e os seus corações estão cheios de rancor e ódio.

Às vezes eu levanto minha cabeça pro céu e faço a seguinte pergunta: “Deus, que mundo é esse em que vivemos? Que lugar é esse em que as pessoas concordam com algo que faz o outro sofrer, tira a privacidade e a alegria de viver?”

Me desculpa, de verdade, mas, se você acha que vítimas de estupros (ou qualquer outro crime, como o homicídio, roubo...) são as culpadas por sofrerem atentados, você é louco. Aqui vai a minha dica: vai se tratar.

#NãoÀViolênciaContraAMulher


24 de maio de 2016

Táticas pra não perder o foco na academia

maio 24, 2016 33 Comentários
academia

Vamos combinar que nem sempre madrugar pra ir à academia é uma tarefa divertida. Aliás, se você é do time da Gracyanne Barbosa (que ama estar 05h da manhã malhando!), não deveria nem visitar o blog de um #gordosafado. Serião.


Recentemente voltei a malhar e, ei, onde a gente compra disposição? Tô totalmente enferrujado e com muita preguiça! Pra você ter noção, no ano passado eu treinava pesado, durante 2h. Hoje, mal consigo fazer uma esteira sem doer as pernas, coluna e todas aquelas reclamações que, com certeza, você já ouviu um idoso falar.


Eu também estava com o hábito feio de sempre ir embora, sem terminar todo o treino. Mas Deus é justo e me deus as mãos, me tirando desse abismo horrível ao qual a preguiça me levou.


Tudo começou quando eu estava quase chegando aos 10 minutos de caminhada, na esteira, quando a minha mente falou: Que droga isso daqui! Uma cama agora seria ótimo!”. Sem nem pensar novamente, resolvi que iria pra casa. Mas... Minha mente é meio bipolar e pensou outra coisa: Como assim ir pra casa? E a meta de emagrecer?"


academia 02


Foi após observar os bombadões, panicats e a minha imagem no espelho da academia que eu acordei pra vida, e percebi que se eu quisesse ser  como eles, deveria, no mínimo, aumentar a velocidade do aparelho.


Siá, não deu outra: lá estava eu correndo na esteira, todo feliz. Foram 50 minutos só de caminhada + 50 treino funcional. Saí da academia destruído, mas muito feliz por encontrar o foco da coisa.


Aliás, assim que cheguei em casa, peguei fotos de ex-gordinhos e joguei no celular. Quando estou na academia questionando o motivo de eu estar ali, olho pro povo todo feliz definindo o corpo e depois vejo no celular as imagens dos ex-gordinhos. Juro que minha a mente sofre  sob pressão e manda embora essa ideia de ir embora antes do fim do treino.




E vocês? O que fazem pra mandar a preguiça ir embora na hora de malhar? 



Beijo1  Um beijo!

22 de maio de 2016

Falta de inspiração: o que fazer?

maio 22, 2016 34 Comentários

maquina de escrever


Quem usa as palavras pra desabafar ou até mesmo trabalhar, sabe muito bem o quão complicado é o bloqueio criativo feat. falta de inspiração. Eu, por exemplo, ganho alguns centavos compartilhando na internet um pouco da minha vida e também cuidando das redes sociais de várias empresas, mas...


Sabe quando você acorda e não sabe qual frase escolher pra desejar “bom dia!” aos internautas ou até mesmo como planejar um banner promocional? A coisa é bem por aí. Um curto e grosso “bom dia” não é legal, eu acho. Tem de rolar umas firulas.


Há dias em que eu acordo com mil ideias e tenho de anotar todas pra usá-las nos dias em que eu não sei não sei absolutamente nada, e só respiro porque isso é automático e não exige esforço. Mas, também há aqueles dias em que tento, tento, tento... e simplesmente não consigo finalizar um parágrafo decente de um post. Muitas vezes o parágrafo até sai, mas é só abobrinha. :(


gatinho 2


Minha amiga me disse que pra inspiração voltar, devemos abrir as redes sociais, ver o que estão falando no momento e ir “retornando” a nossa mente ao mundo real. Tem também um colega de trabalho que disse que ver fotos de gatinhos sempre nos ajuda, já que nos acalma e bla bla bla.


Juro que já fiz as duas coisas: ficar na internet sendo “culto” ou sendo bobão vendo fotos de gatinhos, mas, infelizmente, a inspiração não retornou, longe disso. Continuo admirando a tela branca do word, sem saber por onde começar.


Esse texto, por exemplo, começou do nada e devido à minha falta de inspiração. Sei que posso escrever um bem melhor, porém, acho válido compartilhá-lo pra mostrar que sim: eu também sofro com o bloqueio criativo.


Poderia muito bem começar a semana escrevendo sobre as tretas que rolou comigo e uma amiga; sobre o boy que me abandonou no Tinder; sobre o mini-documentário que estou produzindo ou poderia falar sobre a minha faculdade, que está completamente bugada.




Mas fico por aqui. Sem fim, sem conclusão alguma. Apenas com a certeza de que já, já o meu espírito de puta voltará a atacar e eu escreverei mais episódios da série #locasempre.



Beijo1 Um beijo!

18 de maio de 2016

X-Men Apocalypse: fui ver o filme na pré-estréia e vou contar um pouco do que achei (sem spoilers)

maio 18, 2016 31 Comentários

men3


Hoje (19/05) é a estréia brasileira de X-Men Apocalypse, nono capítulo da série X-Men. O filme, que encerra a trilogia iniciada em 2011, com "X-Men: Primeira Classe" e sucede "X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (2014)", estreou no último dia 09/05 em Londres e só estréia no próximo dia 27/05 nos EUA. Aqui no Brasil, muitos cinemas fizeram a pré-estréia ontem, inclusive o Top Cine, aqui em Araguaína, com duas sessões: a primeira às 20:00h e a segunda às 00:00h. Infelizmente, nenhuma legendada. 🙄


Eu, particularmente, gosto de ver filmes na pré-estréia, porque, na era da digital, se você está muito ansioso para ver um filme que gosta e espera muito tempo para ir ao cinema, acaba sendo bombardeado por spoilers nas redes sociais, o que eu acho muito chato e até desrespeitoso, em algumas situações, como aquelas em que galera grava cenas e publica no Snapchat.


Nem sou fã assim de X-Men, mas eu era apaixonado pelo desenho X-Men Evolution. Fiquei mais curioso por X-Men Apocalypse por conta dos episódios finais do desenho, em que acontece a batalha contra o Apocalypse. Uma coisa bacana do filme é que vários acontecimentos se dão de forma bem parecida aos do desenho. Foi nostálgico ver algumas cenas!


Outro fato que me levou a querer ver o filme foi a interpretação da Sophie Turner [vulgo Sansa Stark] como a Jean Grey, e ela não decepcionou. Confesso que as especulações de que a Taylor Swift poderia aparecer no filme, rumor que surgiu quando a Sophia publicou uma foto de uma cena do filme no Instagram e mencionou o álbum 1989, também me deixou mais animado, mas nada disso aconteceu. Taylor Swift não apareceu no filme como Crystal Amaquelin, a X-Men cantora. Quem sabe no próximo filme, não é mesmo?


Bom, não quero falar muita coisa, para não acabar dando spoilers sem querer. Só quero ressaltar que o filme é muito bom, bastante sensível, pelo menos em relação aos outros filmes da franquia. Tem cenas lindas e emocionantes [quem for ver no cinema vai saber a quais cenas estou me referindo]. Não peca pelo humor, como outros filmes da Marvel que fui ver no cinema recentemente [entendedores entenderão], é bem equilibrado, apesar da crítica especializada ter apontado alguns deslizes nesse quesito. Mas, se eu puder dar um conselho, não dê tanto ouvidos aos críticos! É sempre bom ter a sua própria opinião formada, então tente não se deixar influenciar. Vá ao cinema, veja o filme e tire suas próprias conclusões. Ah, e se for ao cinema, fica ligado, que tem cena extra após os infindáveis créditos do longa. rs

Confira abaixo a sinopse e o trailer do filme:

[embed]https://youtu.be/tbQn8tJw_so[/embed]

Sinopse: Desde o início da civilização, ele é adorado como um deus. Apocalypse, o primeiro e mais poderoso mutante, acumulou os poderes de muitos outros mutantes, tornando-se imortal e invencível. Ao acordar depois de milhares de anos, ele está desiludido com o mundo em que se encontra e recruta uma equipe de mutantes poderosos, incluindo um Magneto desanimado (Michael Fassbender), para purificar a humanidade e criar uma nova ordem mundial, a qual ele reinará. Como o destino da Terra está por um fio, Mística (Jennifer Lawrence), com a ajuda do Professor X (James McAvoy), deverá levar uma equipe de jovens X-Men para conter o seu maior inimigo e salvar a humanidade da completa destruição.

17 de maio de 2016

Primeiro namoro virtual (fracassado)

maio 17, 2016 40 Comentários

start


O primeiro seminário na faculdade, consulta com um novo médico e, sendo um pouco safado, até mesmo a primeira transa: tudo isso é doloroso, mexe com o nosso emocional e nos deixa ansiosos. #filosófa


Sempre fui medrosa na vida, até eu resolver que a melhor forma seria encarar tudo de frente. Levei muitas quedas, as piores foram no campo amoroso, mas tô aqui em pé.


Sobre o meu primeiro namoro, devo confessar que ele não foi tão tradicional/normal. Na verdade, ele se deu de forma virtual com uma carinha que morava na minha cidade. Você deve tá se perguntando: como assim 'virtual', se o cara morava na sua cidade? 


Deixa eu explicar!namoro 02


Na época do meu primeiro rolo, eu tinha 15 anos, 0% de experiência com relacionamentos e banquei o tempo inteiro o-menino-mais-difícil-do-mundo, onde quem me quisesse de verdade, deveria provar com atitudes. Sabe aqueles discursos bem clichês de putinhas? Eu era assim!


Com o meu primeiro namorado virtual (mas que estava bem próximo a mim!), passei vários meses trocando torpedos e, por diversas vezes, ele me chamou pra sair. Mas eu era tão tímido que sempre recusava, dizendo que tinha que estudar e bla bla bla. Cansado, o cara desistiu do nosso lance e me abandonou na fila da solidão.


Na verdade, ele se afastou aos poucos, não respondia às minhas mensagens e foi aí que eu entendi que o nosso lance havia acabado. Fiquei bem triste, afinal, era o meu primeiro término de namoro e eu não sabia o que fazer. Chorar? Escrever uma cartinha pedindo desculpas? Deixar o tempo passar?


trocando mensagem


Escolhi a última opção e deixei o tempo passar. O tempo passou. Se passaram na verdade mais de 5 anos. O cara não veio mais falar comigo. Não me mandou mais mensagem...


Eis que outro dia topei com o ex-namo na minha faculdade. Infelizmente, ele começou a estudar ao lado da minha lada e faz questão de ignorar minha existência. Já mandei mensagem pedindo perdão, mas só fui ignorado. E sim: o considero ex porque houve sentimento mal administrado da minha parte.




A lição que eu tirei de todo esse relacionamento é que: não vale à pena enrolar ninguém. Se quer algo sério, seja sério. Se quer apenas uma rolo bobo, melhor deixar tudo bem claro. 



Beijo1 Um beijo!

15 de maio de 2016

Por onde andam esses artistas? #01

maio 15, 2016 48 Comentários
walkman

Sem dúvida alguma, as pessoas das décadas 70, 80 e 90 foram as mais felizardas até agora no quesito música popular. Diversos artistas brasileiros dominaram (alguns até hoje) as pistas de todas as baladas. Nas rádios, geral gastava os últimos créditos do cartão telefônico pra pedir músicas e mandar abraço pra família inteira. #saudades


Mas, como tudo nessa vida, até a música tem o seu prazo de validade. Dessa forma, vários artistas acabaram perdendo o espaço na mídia, sumindo dos canais de tv de maior alcance, como “Domingo Legal”, “Programa do Raul Gil”, dentre outros.


Abaixo, confira uma lista dos artistas que sumiram da mídia e saiba o que eles fazem atualmente da vida.


Restart



Quem é: Banda criada no ano de 2008, mas que só em 2009 conseguiu o tão sonhado sucesso. É que um EP bombou no Myspace, conseguindo mais de 2 milhões de acessos, daí a MTV junto com a Revista Capricho abraçaram os meninos.

Por que terminou: A banda estava fazendo poucos shows e os integrantes estavam envolvidos em outros projetos musicais.

Por onde anda: Cada integrante seguiu seu próprio caminho no mundo da música.



Quem é: Pouco se  sabe sobre a vida da cantora. O fato é que ela fez muito sucesso nos anos 2000 com o single "Tô nem aí".

Por que terminou: Na verdade, ela não abandonou a carreira. Continua lutando pra resgatar todo o sucesso que teve no passado.

Por onde anda: Continua seguindo a carreira musical, mesmo não estando em evidência como antes.

Rouge



Quem é: Primeiro girl group formado durante um reality show brasileiro, o Popstars, programa o qual levou milhares de brasileiros à loucura. Aline, Fantine, Karin, Luciana e Patrícia foram as escolhidas dentre as mais de 30 mil garotas.

Por que terminou: Infelizmente, Rouge acabou após o contrato com a gravadora Sony Music acabar e não ter sido renovado.

Por onde anda: Todas as meninas continuam trabalhando com música, sendo que Aline e Patrícia também estrearam na tv como atrizes.

Kelly Key
Quem é: Cantora de funk que acabou misturando as batidas do pop nas suas músicas. Ela fez muito sucesso nos anos 2000, principalmente após passar vários anos casada com o cantor Latino.

Por que terminou: Em 2009, ela anunciou uma pausa na música para se dedicar à carreira de apresentadora, mas retornou aos palcos em 2014.

Por onde anda: Com quase 2 milhões de seguidores no Instagram, ela compartilha o seu dia a dia fitness, sendo patrocinada por várias empresas. Ah! Ela também está cursando a terceira faculdade no RJ.

A lista de pessoas que se tornaram "anônimas" é imensa e esses foram os artistas selecionados pra hoje. Aceito sugestões pro próximo post, que será sobre atores sumidos da mídia. Alguma dica?


Beijo1 Um beijo!

12 de maio de 2016

Aproveitando os espaços de lazer

maio 12, 2016 46 Comentários

lazer


Morar no interior é uma das melhores coisas da vida, mas, vamos combinar: às vezes é tudo tão parado, não tem muita animação e os lugares pra sair são sempre os mesmos. No fim, o tédio se faz presente durante boa parte do tempo.


Confesso que sou o tipo de pessoa que gosta de movimento, trânsito caótico, muita gente na fila do supermercado e toda aquela bagunça de quem mora em São Paulo, por exemplo. E não: eu nunca fui à uma cidade grande. #sonho


Aqui em Araguaína a realidade vem mudando. Parece que, finalmente, estamos deixando de lado o título "cidade pacata do interior". É que, recentemente, o prefeito inaugurou o Parque Cimba, o primeiro espaço urbano voltado pro lazer e a prática esportiva.


parque cimba 07


Quem me acompanha no Instagram deve ter percebido também que eu não saio de lá. Outro dia a minha própria amiga disse que o meu nome deveria ser Adriel Cimba Christian, porque sempre falo do espaço pra todo mundo. Fazer o quê? É lá onde eu posso sentar/deitar no gramado e refletir sobre a vida; também posso dar os meus rolês de skates numa pista nova de mais de 1 km... #semcostume


cimba


Infelizmente, a minha cidade está crescendo de forma desordenada e sem lugar pro lazer. Chega o fim de semana e não temos pra onde ir. O cinema é fraco, as lojas fecham cedo, não temos shopping... É aquela cidade do interior com cara de roça. Talvez exagerei um pouco, mas é quase isso.


A chegada do Parque Cimba trouxe a esperança de que Araguaína poderá ser uma cidade grande sim, basta a administração pública saber investir de verdade no que é interessante pra sociedade.


Agora, deixa eu ir ali iniciar uma campanha de oração pra que mais obras do tipo sejam realizadas na minha cidade. #exagerada




Mas e vocês? Tem algum lugar de suas cidades que adoram? Já quero saber!



Beijo1 Um beijo!

10 de maio de 2016

Estilo próprio? Sim, eu tenho!

maio 10, 2016 54 Comentários


estilo - moda

Sabe aquelas pessoas super ligadas em moda, que sempre estão renovando o guarda-roupa de acordo com o estilo que segue? Eu não sou uma delas e tenho muita raiva disso. Juro. #frustrada

Desde pequeno venho tentando descobrir a qual tribo fashion pertenço, porém, até agora vivo no basicão: calça jeans, t-shirt baratinha e os benditos all stars. Eu queria mesmo era uma usar uma jaqueta de couro, calça destroyed, coturno chic, mas o clima da minha cidade não colabora... e outra: ainda não estou preparado pra enfrentar os olhares-maldosos do povo daqui. Ainda.

Pra quem não sabe, sou uma pessoa totalmente influenciável (o que não quer dizer que sou bobo!). Só que aquelas roupas das passarelas não me convencem, tampouco as que colocam nos manequins das lojas. Eu gosto mesmo é de sair catando peças pra montar o meu próprio look, de uma forma totalmente despojada e alternativa.

[caption id="attachment_2113" align="aligncenter" width="626"]roupas estranhas pelo menos os modelos das passarelas são lindos, néam? <3[/caption]

E pra quem disse que os ex-crushes são um pé no saco, tô aqui pra provar que eles me ajudaram demais no quesito “moda” e “como se vestir bem”. É que todos os carinhas que já passaram por mim são “diferenciados”: um era roqueiro, outro caipira/sertanejo, tinha o regueiro, o forrozeiro e o que amava MPB.




É claro que enquanto estava de papinho com os caras, acabei me rendendo aos estilos deles e me vestindo meio loucão. Mas, sabe quando você não sente bem usando só preto, ou camiseta xadrez, touca na cabeça ou todo cult? Era assim que eu me sentia diante dos crushes.

Justamente por passar por cada estilo, percebi que eu não me encaixo em nenhum e nem dou conta de ser rotulado como isso ou aquilo: sou apenas o Adriel, aquele carinha que veste o que vier a cabeça e lhe deixar bem na frente do espelho. E eu nem tô criticando quem segue uma linha folk, rocker ou funkeira-com-shortinhos-lindos-que-mostram-o-popozão.
Se tu vive algo semelhante, agarre agora na minha mão e vamos nos abraçar, porque, às vezes, ter um estilo próprio é complicado.

Beijo1 Um beijo! 



9 de maio de 2016

Meu corpo, minhas regras!

maio 09, 2016 50 Comentários
homossexuais

Se tem uma coisa que eu adoro nessa vida, é poder conhecer novas histórias e pessoas bem humoradas. Juro que mesmo com a timidez me atrapalhando, tento me doar o máximo e descobrir “segredinhos” dos outros. #fofoqueira

Com o Fernando e o Samir deu tudo certo. Pra quem ainda não conhece os meninos, eles são homens transexuais (nasceram “presos” dentro do corpo de uma mulher, mas aos poucos foram descobrindo quem realmente são). Em um bate-papo super legal, eles contaram como enfrentam o preconceito existente no Brasil.




Só mais uma informação do tipo utilidade pública: você não achar certo alguém “trocar” de sexo, não significa que tem o direito de ofender/julgar a outra pessoa. Ninguém está lutando/pedindo pra você aceitar, apenas respeitar. Tem uma grande diferença entre as duas palavras. ;)

   Um beijo! 



4 de maio de 2016

Sem medo de mudar

maio 04, 2016 66 Comentários
estrada

Todo tipo de mudança, independente de qual seja, sempre nos traz algo bom. O problema é que estamos acostumados a problematizar tudo, não entendendo primeiramente o sentido das coisas.


Por exemplo, quando mudamos de cidade, tendemos a ficar tristes, com saudades da vidinha passada e bla bla bla, mas... por que não aproveitar os momentos livres pra conhecer o novo lugar?

Filosofias à parte, depois de 5 anos matutando no Blogger, do Google, o pessoal da agência Axxo Digital me presentou com uma hospedagem ilimitada + domínio personalizado pra eu migrar o meu blog pro Wordpress. Sem titubear, aceitei.

escolhas

Confesso que ainda tô naquela fase da adaptação, sabe? O painel de controle é diferente, os códigos do layout são frescurentos, mas, aos poucos a gente vai lidando com as tretas.

Posso confessar outra coisa? Tô me sentindo como uma emprega doméstica que faltava passar fome, mas foi presenteada com toda a fortuna do patrão, que bateu as botas e lhe deixou tudo como herança. E sabe o por quê disso? Porque eu estou amando ver pessoas acreditando em mim, nos meus escritos, no meu potencial e, principalmente, me entendendo.

Passei a vida inteira mudando pelos outros, em busca da aceitação... mas só agora percebi que a gente não precisa disso. O universo trata de resolver essas paradas. A nós cabe apenas a missão de ir tocando a vida, pois, essa não para pra tentarmos entender determinados fatos.
Mas e aí, me conte sobre vocês: o que já fizeram de tão radical na vida?

  Um beijo! 



Casa nova e algumas mudanças...

maio 04, 2016 0 Comentários

Às vezes, mesmo sem querer, a gente é obrigado a mudar; a deixar de lado algumas coisas pra novas surgirem na nossa vida. Eu passei um bom tempo pensando: migrar ou não? Permanecer por aqui ou simplesmente buscar coisa melhor?

Acontece que a resposta veio mais rápida do que eu pensava, e sim: o Não me venha com Desculpas está se mudando pra uma nova casa. Ou melhor, o blog está migrando do blogger pro Wordpress, além de estar com um layout lindão feito exclusivamente pra ele. Outra coisa que também mudou foi link, já que agora temos o domínio personalizado.

Então, agora nosso local pra tretas, micos, desabafos e dicas é lá no:

NAOMEVENHACOMDESCULPAS.COM

 Um beijo!